Giro

Depois de quase 45 anos viajando pelo Universo, sondas Voyager da NASA estão morrendo

Crédito: Reprodução/NASA

Viajando por todos os planetas exteriores, as sondas transformaram fundamentalmente o nosso entendimento do sistema solar e de como ele surgiu. (Crédito: Reprodução/NASA)



Corria o ano de 1977 e a NASA colocava no espaço a Voyager 1 e 2. Após estas décadas sabemos hoje que nessa época a agência espacial norte-americana estava lançando a maior aventura jamais empreendida por uma sonda espacial não tripulada.

Viajando por todos os planetas exteriores (menos Plutão), as sondas transformaram fundamentalmente o nosso entendimento do sistema solar e de como ele surgiu. Mas a viagem interestelar das icônicas naves – que já dura há quase meio século – está chegando ao fim.

+ NASA se prepara para primeira missão tripulada a Marte

De acordo com um relatório da Scientific American, está se iniciando o processo de desligar os sistemas das naves espaciais.



Voyager 1 e 2 da NASA estão a ficar sem energia

Lançadas nos finais dos anos 70, as duas sondas levaram a ambição humana para a exploração do espaço, e têm continuado a fazer desde então. É impossível enfatizar o quão profundo no espaço estas sondas foram, viajando mais longe do planeta Terra do que qualquer objeto jamais construído pelos humanos.

Como tal, estes viajantes irão provavelmente manter o registo dos mais distantes objetos feitos pelo homem durante décadas, se não mesmo por séculos.


A decisão de cortar a energia ao mínimo foi tomada para prolongar a vida útil das sondas por mais alguns anos, com um prazo de corte suave estabelecido para 2030, de acordo com o relatório Scientific American. Mas não deve chegar até la!

“Fizemos 10 vezes a garantia destas malditas coisas”, disse o físico Ralph McNutt do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins no relatório, com referência à longevidade sem precedentes das sondas, que se espera que durem pelo menos mais quatro anos.

Embora incrível, isto não é uma surpresa total. Ambas as sondas são alimentadas com reatores de plutônio radioativo, que mantêm uma fonte de energia quente para os minúsculos computadores de bordo que funcionam há décadas sem interrupção

Sondas Voyager são o primeiro passo da humanidade para um Universo mais vasto

Todos os anos, a energia nos sistemas das sondas está diminuindo em cerca de 4 watts, de acordo com o relatório. Isto significa que é necessário desligar progressivamente mais componentes e dispositivos à medida que o fornecimento de energia diminui.

“Se tudo correr realmente bem, talvez possamos prolongar as missões até 2030”, disse Linda Spilker, uma cientista planetária JPL que trabalhou no início das missões da Voyager, em 1977. “Depende apenas da energia. Esse é o ponto limitativo”, acrescentou Spilker.

A principal missão das sondas era fazer um voo dos gigantes gasosos, Júpiter e Saturno, enviando as primeiras imagens de perto e detalhadas de Europa, Ganimedes, Titã, e muito mais. Mas talvez a imagem mais significativa tenha levado mais de uma década a se  concretizar.

Em 1990, a Voyager 1 captou uma imagem da Terra, a 4,8 bilhões de quilômetros de distância do Sol. Popularizado pelo falecido astrônomo Carl Sagan, o “ponto azul pálido” serviu para expor quão pequena e frágil é realmente toda a nossa existência – desde as guerras da civilização antiga, a nossa pequena grandeza política, a exploração do ecossistema do planeta, e toda a nossa viagem evolutiva até aos dias de hoje. Estava tudo ali, num pequeno cisco azul num universo aparentemente infinito, negro e indiferente.

Se há uma coisa que devemos pensar nas sondas icônicas, é isto: a raça humana existiu por um piscar de olhos muito pequeno na história do universo, num planeta minúsculo e frágil que não vai ficar aqui por muito tempo. E há todo um universo que nos convida a sair das nossas zonas de conforto de arrogância humana, e a entrar na maior aventura de sempre.