Economia

Denúncias de corrupção impulsionaram aquisições no Brasil

Parte da alta do movimento de aquisições de empresas no Brasil se deve à necessidade de grupos envolvidos em denúncias de corrupção, como as da Lava Jato, se desfazerem de ativos. “Essas empresas ficaram sem crédito, sem condições de renegociar dívidas, perderam clientes e precisavam de capital de giro”, diz Leandro Almeida, professor da área de finanças e negociação da FGV e sócio da empresa Lynce Group.

Exemplos são a venda da Alpargatas, da J&F, para a Itaúsa e a Cambuhy, por R$ 3,5 bilhões, e da fatia da Odebrecht Transport no Aeroporto do Galeão para o grupo chinês HNA Infrastructure.

Grupos da China, aliás, estão presentes em boa parte dos negócios de compra de ativos brasileiros. “A China tem estratégia voltada para infraestrutura de entrar em cada elo da cadeia de modo sequencial”, afirma Marcus Ayres, do BCG.

Das 240 aquisições feitas até agosto, 55% foram por grupos nacionais, participação que, segundo analistas, deve ser revertida em favor de investimentos estrangeiros até o fim do ano.



Os preços das empresas brasileiras, que se depreciaram em relação ao resto do mundo, tendem a se acomodar. “A conjuntura já está precificada”, diz Almeida. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel