Finanças

Demissões e fiscal pressionam juros longos; varejo melhor puxa os mais curtos

As preocupações com o cenário fiscal e as novas baixas na equipe econômica – os secretários Salim Mattar (Desestatização e Privatização) e Paulo Uebel (Desburocratização) – fazem a curva de juros inclinar, com alta maior nos longos. O miolo da curva sobe após as vendas no varejo melhores em junho, com alta de 8,00% na margem, enquanto os de curtíssimo prazo rondam a estabilidade.

Às 9h18, o DI para janeiro de 2027 subia a 6,64%, de 6,54% no ajuste anterior. O vencimento para janeiro de 2023 subia a 3,89%, de 3,81%, e o para janeiro 2022 marcava 2,73%, de 2,68%.

Já o DI para janeiro de 2021 exibia taxa de 1,875%, de 1,870% no ajuste anterior.



Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

Tópicos

taxas de juros