Finanças

Demissões e fiscal pressionam juros longos; varejo melhor puxa os mais curtos

As preocupações com o cenário fiscal e as novas baixas na equipe econômica – os secretários Salim Mattar (Desestatização e Privatização) e Paulo Uebel (Desburocratização) – fazem a curva de juros inclinar, com alta maior nos longos. O miolo da curva sobe após as vendas no varejo melhores em junho, com alta de 8,00% na margem, enquanto os de curtíssimo prazo rondam a estabilidade.

Às 9h18, o DI para janeiro de 2027 subia a 6,64%, de 6,54% no ajuste anterior. O vencimento para janeiro de 2023 subia a 3,89%, de 3,81%, e o para janeiro 2022 marcava 2,73%, de 2,68%.

Já o DI para janeiro de 2021 exibia taxa de 1,875%, de 1,870% no ajuste anterior.

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

Tópicos

taxas de juros