Economia

Demanda por crédito desacelera e sobe 3% em setembro, aponta INDC

Crédito: Pixabay

Sem dinheiro, brasileiro vai priorizar gastos essenciais antes de tomar crédito (Crédito: Pixabay)

A busca por financiamento no Brasil subiu pelo quinto mês seguido em setembro, porém em menor intensidade em relação a agosto. O Índice Neurotech de Demanda por Crédito (INDC), que mede mensalmente o número de solicitações no varejo, bancos e serviços, subiu 3% no nono mês de 2021, depois de avançar 11% no mês anterior.



O único segmento a apresentar resultado negativo foi o do varejo, com declínio de 4% no volume de pedidos. “É preciso lembrar que setembro tem menos dias úteis que agosto”, pondera o diretor executivo da Neurotech, Breno Costa.

+ Ninguém acerta a Mega-Sena e próximo concurso deve pagar R$ 33 milhões

Enquanto isso, o destaque positivo ficou por conta dos serviços, com acréscimo de 25% e o segmento de bancos e financeiras ficou praticamente estável (alta de 2%).

Apesar de manter o interesse por crédito em alta, o consumidor brasileiro dá sinais de que irá privilegiar gastos em áreas essenciais enquanto espera que as recentes incertezas em relação à economia e a questões sanitárias sejam resolvidas, segundo a Neurotech.



Destaques

O estudo mostra que, ao analisar individualmente as subcategorias do setor varejista, a escolha das pessoas por gastos em áreas consideradas essenciais fica evidente. A busca por crédito nas categorias de móveis e de eletrodomésticos apresentaram queda de 70% e 32%, respectivamente.

Na direção contrária, os pedidos de empréstimos para compras em supermercados somaram o maior crescimento do ano, com expansão de 119% acima do acumulado até agosto.

O executivo da Neurotech não vê atipicidade no desempenho do indicador. Segundo Costa, nos meses anteriores o INDC registrou a recuperação do ritmo natural de demanda por crédito que havia antes da pandemia de covid-19. Em sua avaliação, como as necessidades “mais urgentes” represadas durante o período de confinamento foram sanadas, é natural que haja um movimento na direção da neutralidade. Neste sentido, entende que os investimentos serão direcionados a apenas em itens essenciais, “enquanto as pessoas esperam sinais mais claros sobre os rumos da economia nos próximos meses.”

Acumulado

Em análise anual, setembro de 2021 acumulou um volume 8% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Neste sentido, o setor de serviços aparece como o mais importante motivador de pedidos, tendo sido responsável por 42% a mais neste ano contra 2020. O segundo melhor desempenho foi o do varejo (11%), enquanto os empréstimos pedidos em bancos ou financeiras ficaram apenas 2% acima do montante acumulado 12 meses atrás.


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?