A homenagem de um marquês a um lorde

A homenagem de um marquês a um lorde

Marqués de Murrieta Reserva 2017, que celebra os 10 anos de parceria com a importadora World Wine e homenageia seu fundador, Celso La Pastina, falecido em 2020

Em edição especial, um dos rótulos mais icônicos da Rioja, na Espanha, celebra os 10 anos da parceria entre seu produtor – a vinícola Marqués de Murrieta –, e a importadora World Wine. Mais que isso, o excepcional Reserva 2017, que mereceu 92 pontos de Robert Parker e 95 de James Suckling, presta uma merecida homenagem a Celso La Pastina, que há 22 anos expandiu a empresa que leva o sobrenome de sua família criando a World Wine. Profundo conhecer de vinhos e sem jamais ostentar qualquer traço pedante, Celso La Pastina era um lorde. Em muitas ocasiões, ele mesmo enchia as taças de quem visitava as feiras que reuniam produtores, consumidores e especialistas para degustar os rótulos que ele importava. Falava de cada um com propriedade e paixão. Faleceu jovem, prestes a completar 62 anos, em 2020.

+ Frutas vermelhas e vinho podem ajudar a reduzir a pressão arterial

Celso La Pastina
Celso La Pastina (1958-2020): profundo conhecedor de vinhos, se tornou o maior importador de rótulos de Bordeaux no Brasil

Para fazer jus à memória desse grande entusiasta do vinho e da boa mesa, nada como uma homenagem vinda de um produtor tão tradicional quanto respeitado. A vinícola Marqués de Murrieta data de 1852, depois que Don Luciano Murrieta levou para a região da Rioja técnicas de cultivo de uvas e vinificação que havia aprendido em Bordeaux, na França (região da qual Celso La Pastina se tornaria o maior importador no Brasil).

Desde 1983, a Marqués de Murrieta Estates & Wines pertence à família Cebrián-Sagarriga, que preverva o cuidado da elaboração de vinhos de alta gama, como é o caso do Reserva 2017 (R$ 434,00). Feito com a uva Tempranillo, é complexo e elegante, com aromas de frutas vermelhas maduras que se mesclam a notas de tabaco e coco.



“Nossos pais iniciaram um grande projeto empresarial e familiar que hoje procuramos dar continuidade com a mesma força e entusiasmo”, afirmou Vicente Dalmau Cebrián-Sagarriga, conde de Creixell, hoje à frente da vinícola. “Transmitiram-nos o valor da família, ensinaram-nos a sorrir diariamente ao esforço e ao sentido do sacrifício. Transmitiram-nos a necessidade de respeitar e ser fiéis ao nosso passado, sem descuidar do nosso futuro, sempre olhando para a frente”.

As palavras poderiam ser de Juliana La Pastina, a filha de Celso que já dividia o comando das empresas com o pai e o sucedeu na pressidência da World Wine.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Sobre o autor

Celso Masson, 53, é jornalista, diretor de núcleo da Editora Três, winemaker e palestrante de vinhos. Nos últimos dez anos, vem estudando e acompanhando a produção, os negócios e os prazeres do mundo da enologia. Se formou winemaker após integrar um exigente programa oferecido pela Escola do Vinho Miolo. Já tem três rótulos produzidos em parceria com a inovadora vinícola brasileira.


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.