Deepfake, mas pode chamar de pornfake

Segundo reportagem da CNN, cerca de 96% dos deepfakes – vídeos com alto poder de manipulação de imagem e/ou som de pessoas a partir de outros vídeos – consistem em conteúdo pornográfico. Os especialistas da Deeptrace, empresa especializada em segurança cibernética, encontraram pelo menos 14 mil deepfakes vídeos on-line em uma pesquisa recente, aumento de 84% em relação a 2018. A maioria é feita com o inserção de rostos de celebridades femininas em vídeos de atrizes pornô. A Deeptrace constatou que mais de 13 mil desses vídeos estavam concentrados em apenas nove sites pornográficos. O segmento passou a ser uma indústria das mais ascendentes no universo tecnológico, com empresas oferecendo criação de deepfakes a partir de US$ 3.

(Nota publicada na Edição 1142 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Microsoft apoia empreendedorismo feminino no Brasil

As mulheres ainda não têm presença marcante no empreendedorismo digital – e isso não é segredo para ninguém. Elas são apenas 15,7% dos [...]

Celular, o preferido dos americanos para notícias

Cada vez mais usuários de internet leem notícias pelo smartphone, em detrimento de desktop e laptop. Pelo menos entre os [...]

Tubi, na Amazon

A plataforma de streaming de video Tubi agora está disponível nos dispositivos Amazon Echo Show. Claro, por enquanto, nos EUA. É o primeiro serviço de vídeo gratuito (financiado por anúncios) oferecido no streaming da Amazon. Agora, o usuário americano manda o Alexa – comando de voz do mega e-commerce – passar o filme. O Tubi […]

Sustômetro

O guia Mozilla dos dispositivos mais “assustadores” começa com esta pergunta: “O quão assustador (creepy) é aquele alto-falante [...]

Os brasileiros e os influenciadores digitais

A julgar por pesquisa realizada pela Spark, empresa de marketing de influência, em parceria com o Instituto Qualibest, de pesquisas [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.