Declaração de Guedes sobre domésticas na Disney foi muito infeliz

Declaração de Guedes sobre domésticas na Disney foi muito infeliz

Milhões de pessoas vão à Disney todos os anos

Olá, pessoal! Tudo bem? Quem acompanha o meu trabalho sabe que eu elogio constantemente a agenda econômica do ministro Paulo Guedes. Considero que é a agenda correta para colocar o Brasil de volta aos trilhos do crescimento econômico. Isso, no entanto, não me impede de criticar a sua declaração extremamente infeliz sobre as empregadas domésticas que supostamente foram à Disney quando a cotação do dólar estava abaixo de R$ 2,00.

A frase dita pelo ministro nesta quarta-feira 12, em Brasília, foi a seguinte: “Não tem negócio de câmbio a R$ 1,80. (…) [Era] todo mundo indo para a Disneylândia, empregada doméstica indo para a Disneylândia, uma festa danada”.

Do ponto de vista econômico, dólar barato estimula viagens e gastos no exterior, mas atrapalha as exportações brasileiras. Na visão do ministro, a cotação atual acima de R$ 4,00 é, portanto, melhor para o País do que a cotação abaixo de R$ 2,00 no passado.

Isso dito, trago a minha análise. O ministro poderia ter colocado a sua opinião sobre o câmbio sem deixar escapar um preconceito terrível. Ele pode até dizer que não teve a intenção, mas o raciocínio por trás da sua declaração foi o seguinte: empregadas domésticas são pessoas pobres e pessoas pobres não podem ter dinheiro para ir à Disney. Se até elas conseguiram viajar é porque o câmbio estava completamente errado. Ele inclusive sugeriu que as viagens fossem feitas dentro do Brasil.

Deixo aqui alguns pontos de reflexão ao ministro Guedes:

1) Qual o problema de empregadas domésticas irem à Disney? Há algum crime em preferir viajar ao exterior a fazer turismo no Brasil? Realizar sonhos não é exclusividade de nenhuma classe social.

2) Do jeito que a situação econômica anda difícil, a população mais carente teria muita dificuldade de ir à Disney mesmo que o dólar estivesse a R$ 1,80. Se no passado empregadas domésticas foram à Disney (há alguma pesquisa que comprove isso?), é porque a situação econômica estava melhor. Elas tinham mais dinheiro no bolso. O câmbio, sozinho, não faz milagres.

3) É uma ilusão achar que o turismo doméstico seja uma alternativa barata. É muito caro viajar para o Nordeste ou para Foz do Iguaçu, como sugeriu o ministro. Aliás, o que o governo pretende fazer para incentivar de verdade o turismo doméstico?

4) Se a agenda econômica do ministro Guedes der certo e o Brasil voltar a crescer 3% ao ano, haverá mais emprego e renda. O sucesso econômico, se ocorrer, tenderá a valorizar um pouco o câmbio (baratear o dólar), e a consequência lógica será um aumento no número de brasileiros em viagem ao exterior. Isso deveria ser motivo de orgulho e comemoração por parte de um ministro da Economia, pois seria a prova de que a sua política econômica estaria dando certo.

Enfim, havia formas mais inteligentes e elegantes de o ministro ter explicado a sua defesa de um câmbio desvalorizado (dólar caro) como algo positivo para o País. O preconceito enraizado na sua fala ficou ainda pior justamente por ter vindo de alguém que trabalhou e morou muitos anos no exterior – e que provavelmente já foi inúmeras vezes à Disney, a Nova York, a Paris…

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

O grande desafio econômico de 2021

Olá, pessoal! Tudo bem? O jogo econômico de 2020 já está em sua reta final. Não há mais tempo para evitar uma derrota acachapante – no [...]

Guedes liberal, sim! CPMF, não!

Olá, pessoal! Tudo bem? Gostaria de abordar neste artigo dois assuntos que estão pegando fogo. O enfraquecimento do ministro Paulo [...]

A economia também mata!

Olá, pessoal! Tudo bem? Desde o começo da pandemia, eu tenho alertado para os efeitos econômicos do combate ao novo coronavírus. Sem, [...]

O que já podemos aprender com os riscos em 2020?

Olá, pessoal! Tudo bem? O mês de janeiro passou como num estalar de dedos, mas esse início de ano nos trouxe inúmeras lições [...]

2020 será o ano do crédito. Isso é bom?

Olá, pessoal! Tudo bem? No apagar das luzes de 2019, gostaria de escrever algumas linhas sobre 2020. Conforme tenho repetido em artigos [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.