Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

De olho na performance e na produtividade alheias

Conheça a Micropower, empresa que cresceu atuando na área de treinamento, focado em resultados

De olho na performance e na produtividade alheias

Francisco Soeltl, sócio-fundador da MicroPower durante o Congresso Learning Perfomance, ocorrido em SP

As Universidades Corporativas surgiram nos Estados Unidos, na década de 1950, para equalizar a formação dos funcionários das empresas com o aprendizado acadêmico. Já naquele período, o gap entre a teoria e a prática, além do “jeito diferenciado” de atuação de muitas empresas, começou a ser visto como uma ameaça ao seu crescimento. Especialmente no caso de negócios disruptivos que, na prática, inventaram setores como o de refeição fast food (McDonald’s) e logística de entregas de pacotes porta a porta (Fedex).

Mas este modelo acabou sendo vítima do processo de esgotamento. Afinal, a profusão de universidades corporativas mostra que o instrumento se transformou numa panaceia, sem que tenha contribuído, de forma decisiva, para a melhoria da produtividade, por exemplo. Especialmente no Brasil, que comumente ocupa a rabeira deste índice em termos globais.

Leia também: Brasil ocupa a antepenúltima posição em Ranking Mundial de Competitividade

O que é um problema considerado estrutural, se tornou um campo de trabalho para o matemático, ex-executivo de grandes empresas e graduado em TI pelo MIT Francisco Antonio Soeltl, fundador da MicroPower. A empresa paulistana, fundada em 1994, vem se firmando como uma das mais ativas no segmento de treinamento. Tanto que obteve crescimento anual médio de 14%, nos últimos cinco anos. “O novo conceito de treinamento leva em conta a gestão da performance, não apenas a formação de lideranças”, diz ele.

Congresso Learning & Performance Brasil 2017 debateu experiências e mecanismos de melhoria da produtividade

Para Soeltl, um dos grandes equívocos dos empresários é estabelecer programas pouco transparentes em seus objetivos finais e sem levar em conta recompensas ao longo do trajeto. “No meio do processo, os funcionários acabam entrando numa espécie de zona de conforto e fazemo que consideram melhor, da forma que acreditam ser mais apropriada”, destaca.

Mais do que apenas vender softwares e soluções, como o Virtual Vision ou o Performa, a MicroPower atua na evangelização do mercado, chamando a atenção para os benefícios da gestão da performance. Algumas dessas ferramentas foram apresentadas na segunda-feira 28, em São Paulo, durante o Congresso Learning & Performance Brasil 2017. Trata-se de um evento destinado a debater experiências e mecanismos de melhoria da produtividade e da gestão das empresas.

Uma passada pelos cases apresentados, e premiados, durante o Congresso dão a dimensão de que estas questões estão cada vez mais entronizadas nos departamentos de Recursos Humanos de corporações líderes em suas áreas de atuação, como o Bradesco, a General Motors, a Honda e a Vivo, para citar algumas. “As transformações causadas pela tecnologia no mundo da educação e do trabalho vão exigir que os profissionais adquiram novas competências a cada dia”, destaca o empreendedor.

 

 

 


Mais posts

A saúde que cabe no bolso de (quase) todos

Empreendedor gaúcho fatura R$ 40 milhões com rede de clínicas independentes focada nas classes C e D

Uma questão de feeling

A Lava e Leva, rede de lavanderias criada por ex-professor universitário, deve fechar o ano com faturamento de R$ 48 milhões

Loja com propósito. E muita atitude

Os planos de Yan Ragede para transformar a Afrobox numa vitrine global de grifes de roupas e acessórios da periferia de Salvador

Lapidando diamantes. Negros!

O BlackRocks, especializado em empreendedores da base da pirâmide, terá um espaço exclusivo na São Paulo Tech Week 2017

Para vestir a casa e a vida

A EcoSimple, grife de tecidos feitos de PET e algodão pós-consumo, aposta em parcerias com famosos para enfrentar os gigantes do setor
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.