Giro

De Grasse ganha ouro, e 400m com barreiras tem novo recorde em Tóquio

De Grasse ganha ouro, e 400m com barreiras tem novo recorde em Tóquio

Canadense Andre De Grasse comemora conquista do ouro olímpico nos 200 metros rasos nos Jogos Olímpicos de Tóquio

Por Mitch Phillips

TÓQUIO (Reuters) – O canadense Andre De Grasse acrescentou um ouro a uma coleção crescente de medalhas menores ao vencer os 200 metros, o Quênia teve uma dobradinha nos 800 metros masculinos e Peruth Chemutai fez história para Uganda em mais uma noite brilhante para o atletismo na Olimpíada nesta quarta-feira.

Tudo isto veio na sequência de outro grande recorde mundial nos 400 metros com barreiras de manhã, quando Sydney McLaughlin derrotou a compatriota norte-americana Dalilah Muhammad na pista super rápida e a nova tecnologia de calçados continuou a fazer troça das comparações históricas.

De Grasse, que correu à sombra considerável de Usain Bolt durante a maior parte da carreira, havia conquistado seis medalhas de bronze e duas de prata em corridas individuais e revezamentos internacionais, mas está uma máquina em Tóquio.



Mostrando um discernimento perfeito, ele superou o líder Noah Lyles e registrou um recorde canadense de 19s62, tornando-se o oitavo homem mais veloz da história nesta distância.

“Em 2016, eu era um menino, e inexperiente, mas agora tenho muitas expectativas de sair com medalhas”, disse o atleta, hoje com 26 anos, que ficou com a prata atrás de Bolt nos 200 metros no Rio.

“Queria mostrar que todas as minhas contusões ficaram para trás e que posso levar uma medalha de ouro para casa.”

Três corredores dos EUA o seguiram –Kenny Bednarek, Lyles e Erriyon Knighton, de 17 anos–, mas a busca dos atletas dos Estados Unidos pelo primeiro ouro olímpico desde 2004 em qualquer uma das provas masculinas de velocidade continua.

Emmanuel Korir e Ferguson Rotich formaram a dobradinha queniana nos 800 metros masculinos, o quarto ouro sucessivo de atletas do leste africano no evento.

Chemutai se tornou a primeira mulher ugandense a conquistar um ouro olímpico em qualquer esporte com um desempenho bem calculado nos 3 mil metros com barreiras.

Uganda só venceu outros dois ouros olímpicos, ambos no atletismo masculino, em 1972 e 2012.

Um dia depois de Karsten Warholm obter um recorde mundial espantoso nos 400 metros com barreiras masculino, McLaughlin reduziu uma parcela quase tão grande de sua própria marca: a corredora de 21 anos cruzou a chegada em 51s46, pulverizando o tempo de 51s90 que ela mesma estabeleceu nas seletivas olímpicas de seu país.

O polonês Wojciech Nowicki finalizou uma sequência muito firme com sua melhor marca pessoal no lançamento de martelo, 82,52 metros –uma dobradinha no evento para o país depois que Anita Wlodarczyk garantiu um terceiro título sucessivo na terça-feira.

(Por Mitch Phillips, Amy Tennery, Sudipto Ganguly e Omar Mohammed)

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759)) REUTERS ES

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH7317I-BASEIMAGE

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago