Geral

Das ocupações para o Palacete dos artistas

“Foi da minha janela que, hospedado aqui um dia, Caetano (Veloso) olhou para a esquina da Ipiranga e da São João e compôs Sampa”, diz, séria, a atriz, produtora e diretora teatral Valéria di Pietro, de 67 anos. “Mas é claro que isso é mentira”, continua, dando risada.

Ela é uma das moradoras do Palacete dos Artistas, prédio da Prefeitura na Avenida São João, onde já funcionou o Hotel Cineasta, e que hoje é um dos imóveis do programa de locação social da Prefeitura. O prédio, inaugurado na década de 1920, é um bem tombado de propriedade do Município destinado ao programa de locação social de São Paulo desde 2014.

O espaço, de cinco andares, é habitado majoritariamente por artistas do teatro independente que viviam em ocupações. “Na nossa área, não é todo mundo que vai parar na TV. Quando vamos ficando velhos, os papéis acabam”, conta Valéria, que vive em um apartamento repleto de plantas, quadros nas paredes e estantes com livros e filmes. Mas ali há também outras pessoas, não artistas, que conseguiram se inscrever no programa. São 50 unidades habitacionais ocupadas por 60 moradores.

O prédio é tido como o melhor exemplo de locação social da cidade, com a gestão feita em parceria entre a Companhia Metropolitana de Habitação (Cohab) e os próprios moradores – em outros prédios, a Prefeitura enfrenta invasões de não inquilinos e até ação de criminosos.

Gestão. Valéria e a também artista Maithê Alves, de 76 anos, que vive em um apartamento vizinho e igualmente aconchegante, são as responsáveis por manter o Palacete do Artistas organizado. “Fizemos um teatro no primeiro andar, biblioteca, ateliê, lavanderia e uma sala de leitura onde queremos montar um cineclube”, conta.

Mas a organização não é tarefa fácil. No primeiro andar, as salas ficam trancadas por causa dos furtos, frequentes. “Aqui tudo some”, explica Maithê. “Tinha uma pessoa que trazia pessoal da Praça da República para cá, e eles usavam drogas”, diz.

Os conflitos com a Cohab, que recolhe a taxa de condomínio, são constantes em função da zeladoria. Mas as moradoras não fazem reclamações mais incisivas ao comentar goteiras, falta de lâmpadas e outros pormenores que surgem na administração predial. Também não se queixam das dificuldades de convívio com os vizinhos. “Nós, artistas, já nos conhecíamos, somos uma família. E as demais pessoas que estão aqui convivem bem conosco”, conta Valéria. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?