Da Bahia para a Nasa

Da Bahia para a Nasa

Cinco jovens estudantes de Salvador venceram o Nasa Space Apps Challenge International 2019 ao criarem um dispositivo que recolhe partículas de microplásticos das águas, ajudando a limpá-las. O projeto, chamado Ocean Ride, será mostrado nos Estados Unidos, na segunda etapa do maior hackathon do mundo. O resultado, divulgado recentemente pela Agência Aeroespacial Americana, colocou a equipe em primeiro lugar entre 2.076 projetos de todo o planeta. Para apresentar o projeto na Nasa, Ramon de Almeida, Antonio Rocha, Pedro Dantas, Genilson Brito e Thiago Barbosa terão apoio da Aviva, que atua nos destinos Rio Quente (GO) e Costa do Sauípe (BA), onde os garotos estiveram recentemente.

(Nota publicada na edição 1158 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Uber nas ciclofaixas

A Uber foi a única empresa a apresentar proposta à Prefeitura de São Paulo para operar as ciclofaixas. O custo estimado é de R$ 22,2 [...]

Apple na liderança de um setor em queda

Se no mercado de celulares a Apple ocupa apenas a terceira colocação, atrás da coreana Samsung e da chinesa Huawei, no segmento de tablets a empresa fundada por Steve Jobs domina. Segundo a consultoria Strategy Analytics, referente ao quarto trimestre do ano passado, 27,7% de todos os dispositivos vendidos no mundo tinham a marca da […]

Brasil, Pátria do Console

O Brasil vai deixar de ser a ‘Pátria de Chuteiras’ para se tornar a ‘Pátria do Console’. A previsão é de Leo De Biase, que possui mais [...]

Tecnologia gritante

Obra-prima de Edvard Munch, a tela ‘O Grito’ está desbotando. Mas o que a tecnologia tem a ver com o problema em uma pintura com mais [...]

Lavouras monitoradas por satélites

Imagens capturadas por uma constelação de satélites são usadas para ajudar os agricultores a monitorar lavouras. Essa é a proposta da [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.