Economia

Custo da construção chega a R$ 1.295,56/m² em abril; queda de 0,12%

O Custo Unitário Básico (CUB) da construção civil do Estado de São Paulo atingiu R$ 1.295,56 por metro quadrado em abril, queda de 0,12% na comparação com março. Já em 12 meses, houve alta de 4,96%.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, 4, pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) e pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O CUB é o índice oficial que reflete a variação dos custos mensais das construtoras para a utilização nos reajustes dos contratos de obras.

No mês de abril, os custos com mão de obra e despesas administrativas ficaram estáveis frente a março, enquanto as despesas com materiais recuaram 0,34%. Dentro da composição do indicador, os custos médios com mão de obra representaram 61,27%, materiais, 35,57% e despesas administrativas 3,16%.

Segundo o vice-presidente de Economia do SindusCon-SP, Eduardo Zaidan, a ligeira deflação nos custos do setor reflete a fraca demanda por insumos e mão de obra. “Neste mês de maio e no próximo, poderão ocorrer reajustes salariais em função da data-base do setor, com alguma repercussão nos custos de maio e junho. Entretanto, não há expectativa de elevação dos custos dos materiais de construção”, afirma, em nota distribuída à imprensa.

Nas obras incluídas na desoneração da folha de pagamentos, o CUB teve baixa de 0,13% em abril, totalizando R$ 1.200,94 por metro quadrado. Em 12 meses, o indicador registra alta de 4,67%.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel