Dinheiro em Ação

CSN sobe com rumor de saída da Usiminas

CSN sobe com rumor de saída da Usiminas

Papeis avulsos

O ano começou agitado para os acionistas da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), devido a rumores não-confirmados de que a empresa presidida por Benjamin Steinbruch poderia vender sua participação na Usiminas. A CSN possui 14,1% do capital votante e 19,8% dos papéis preferenciais da concorrente. O rumor da venda fez as ações da CSN subirem 4,85% na segunda-feira 8, em uma movimentação de R$ 2,3 bilhões. A CSN está endividada. Em setembro, o total das obrigações era de R$ 29 bilhões, ou 5,5 vezes a geração de caixa medida pelo Ebitda. Só em 2018, o total a pagar é de R$ 5,6 bilhões, e a venda das ações da Usiminas é vista como uma solução para isso. Para os analistas, a CSN pode se beneficiar em qualquer cenário. O reforço no caixa obtido com uma eventual venda facilitaria a rolagem das dívidas. Já as ações da Usiminas, que começaram a ser compradas pela CSN em 2011, valorizaram-se 170% no acumulado de 2016 e 2017. Procurada, a CSN não comentou.

 

Turismo

Reservas da CVC sobem 12,4% no 4º trimestre

A operadora e agência de viagens CVC, fundada por Guilherme Paulus, divulgou, na segunda-feira 8, os principais indicadores referentes ao quarto trimestre de 2017. No período, as reservas confirmadas somaram R$ 2,7 bilhões, alta de 12,4% na comparação anual. O avanço foi impulsionado pelo segmento marítimo, especialmente para destinos na Europa. As reservas embarcadas subiram 10,3%, para R$ 1,9 bilhão. A companhia vai divulgar o balanço no dia 7 de fevereiro. No ano, as ações sobem 3,3%.

 

Telecomunicação

Portugueses não terão nova assembleia na Oi

O plano de reestruturação da Oi, aprovado em 20 de dezembro, foi homologado pela Justiça na segunda-feira 8. O acordo prevê que os credores ficarão com 75% das ações e devem investir R$ 4 bilhões na empresa. O juiz negou a realização de uma assembleia extraordinária pedida pela Bratel. Ligada à Pharol, antiga Portugal Telecom, a Bratel é a maior acionista da companhia, com 22,2% do capital. A justificativa da Justiça foi que “a vontade dos credores deve ser respeitada”.
As ações caem 0,86% no ano.

 

Touro x Urso

A grande questão é se a alta de 2,4% do índice Bovespa, acumulada até a quarta-feira 10, é sustentável ou se é apenas uma readequação de carteiras no início do ano. Há pelo menos um sinal eloqüente de que o avanço pode ser sólido: o volume de negócios. O volume médio dos oito primeiros pregões do ano foi de R$ 7,73 bilhões, em linha com os R$ 7,71 bilhões de volume médio diário registrado em 2017. Menos dinheiro em circulação poderia indicar menor sustentação para as ações.

 

Destaque no pregão

Novos entraves à venda da Eletrobras

Não param de surgir entraves à privatização da Eletrobras, presidida por Wilson Ferreira Junior. Na quinta-feira 11, a Justiça Federal de Pernambuco concedeu uma liminar suspendendo os efeitos da Medida Provisória que permite a sua privatização. Além disso, os acionistas ainda discutem o destino das seis distribuidoras de energia deficitárias controladas pela estatal. Uma assembleia marcada para o dia 8 de fevereiro pode decidir se elas serão vendidas ou liquidadas, e se suas dívidas ficarão com a Eletrobras ou se serão assumidas pela União. No ano, até a quarta-feira 10, as ações caíram 13,8%.

Palavra do analista:
Para Pedro Galdi, analista da Magliano Corretora, o governo deve recorrer da decisão. “O modelo da privatização não está definido, o que gera ainda mais incertezas. As ações devem continuar recuando como reflexo das notícias”, diz.

 

Alimentos

BRF lança marca para tentar alcançar a Seara

Dona das marcas Sadia e Perdigão, a BRFoods, que tem Abilio Diniz como presidente do Conselho, lançou, na terça-feira 9, uma nova marca de carnes popular, batizada de Kidelli. A intenção é disputar uma fatia de 30% no segmento de processados, hoje com forte dominância da concorrente Seara. Para analistas, a iniciativa deve reduzir a capacidade ociosa das fábricas. No ano, as ações da BRF sobem 6,8%.

 

 

Mercado em números

VALE
US$ 1,15 bilhão – É o valor que a mineradora vai receber pela venda de sua divisão de fertilizantes à americana Mosaic, mais 34,2 milhões de ações da companhia. O negócio foi fechado na segunda-feira 8

JSL
R$ 300 milhões – É o montante que a companhia de logística captou na terça-feira 9, emitindo debêntures com vencimento em 2024 e remuneração de 7,75% no ano

GERDAU
10 milhões – É o número de ações que a siderúrgica vai recomprar até 9 de abril, o que representa cerca de 0,96% do total em circulação

GOL
80,9% – Foi a taxa de ocupação dos voos da companhia no quarto trimestre de 2017. O percentual é 3,3% maior na comparação anual

AZUL
15,4% – Foi a alta que a companhia aérea teve no tráfego de passageiros em dezembro de 2017, na comparação com o mesmo mês de 2016