Geral

Criticada pelo Ceará, Ford encerra produção da Troller em setembro

Crédito: Divulgação/Troller

Troller T4 será fabricado até setembro deste ano no Ceará (Crédito: Divulgação/Troller)

A Ford anunciou nesta segunda-feira (8) que deixará de produzir os carros da marca Troller em Horizonte (CE). Os jipes T4 serão fabricados até setembro deste ano, e suas peças de reposição seguem sendo produzidas até novembro.

A montadora estadunidense havia anunciado em janeiro uma reestruturação na América Latina e que sairia do Brasil. Em comunicado, a Ford afirmou que vai respeitar os direitos trabalhistas dos 470 funcionários da fábrica cearense.



+ Pesquisador de Oxford pede que Reino Unido doe vacinas em vez de dar reforços
+ Ford Maverick GT de 1978 vai a leilão neste sábado

Em nota divulgada nesta terça (10), a Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Estado do Ceará disse que a empresa descumpre o que combinou em janeiro sobre a venda da fábrica e do complexo automotivo.

“A marca Troller não é mundial, foi criada por cearenses! Esperamos que a Ford americana e a do Brasil não prejudiquem o desenvolvimento do Ceará e os trabalhadores cearenses”, afirmou o secretário Maia Júnior.

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!


A Troller foi criada em 1995 por empresários brasileiros e comprada em 2007 pela Ford. O governo estadual acompanhou as negociações para a compra da fábrica e esperava que o novo dono mantivesse a produção do veículo, assim como a manutenção dos trabalhadores. Segundo Maia, havia três interessados.

Maia declarou também que recebeu um telefonema do diretor institucional da Ford no Brasil, Rogério Goldfarb, alegando uma decisão da matriz americana para suspender as negociações em andamento. A venda envolveria apenas instalações e maquinários, o que, de acordo com o secretário, afasta investidores que queiram seguir com a operação.


O governo do Ceará vai “manter a busca pela continuidade da fábrica para o desenvolvimento do município de Horizonte e a manutenção dos empregos”.