Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

Cristiano Ronaldo pode curtir o Facebook

Cristiano Ronaldo pode curtir o Facebook

O Facebook está negociando com o jogador de futebol Cristiano Ronaldo para a produção de um reality show sobre o craque português. A princípio, o seriado seria exibido na plataforma Watch, dentro da própria rede social. De acordo com o site americano Variety, a empresa de Mark Zuckerberg está disposta a pagar US$ 10 milhões para o atacante, eleito cinco vezes o melhor jogador do mundo, para que ele estrelasse uma série televisiva de 13 episódios. Se concretizado, o acordo com o agora craque da Juventus, da Itália, seria o maior negócio da companhia de Menlo Park para impulsionar sua plataforma de vídeos originais que tenta competir com a Netflix. Vale lembrar que essa não é a primeira produção focada em esportes do canal. O Watch já conta, por exemplo, com um programa sobre a vida do jogador de futebol americano Tom Brady, o marido da modelo brasileira Gisele Bündchen.

(Nota publicada na Edição 1078 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O mea culpa do Google

Demorou, mas o Vale do Silício parece estar finalmente tomando atitudes mais rigorosas em relação a casos de assédio. O CEO do Google, [...]

Do console à nuvem

(Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Começo promissor

A startup brasileira Olho do Dono foi considerada a mais promissora do continente na primeira edição TechCrunch Battlefield com [...]

A Ameaça alemã ao Tesla

A Volkswagen quer competir de frente com a Tesla, fabricante americana de automóveis elétricos. A empresa alemã pretende discutir um [...]

1,455 bilhão

É a queantia de smartphones serão vendidos no mundo em 2018, queda de 0,7% sobre 2017. mas a curva voltará a subir. estima-se 1,646 bilhão de aparelhos em 2022. (Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.