Tecnologia

CRISE NO CABO

Há uma difícil negociação no mundo da TV por assinatura brasileira, na qual as empresas que oferecem esse serviço se uniram para tentar pressionar os fornecedores de conteúdo internacionais. A idéia é substituir o dólar como moeda das negociações pelo real mais a variação do IGPM. As companhias nacionais estão preparadas para romper contratos caso o outro lado não aceite negociar. As conversas duram mais de seis meses e foram aceleradas com a perspectiva de guerra no Iraque.

SOBREVIDA DA IOMEGA



Os gravadores de CDs praticamente decretaram a extinção dos zipdrives, disquetes para grandes volumes de dados. A principal fabricante, a Iomega, acrescentou novos produtos ao seu currículo, como tocadores de música em MP3 e discos rígidos externos. A virada, comandada pelo presidente Werner Heidt (foto), ainda não deu sinais positivos. Em 2002, a empresa teve um faturamento de US$ 614 milhões, enquanto que em 2001 foi de US$ 831 milhões.

MICROTEC PARA LICITAÇÕES

Enquanto briga na Justiça contra fornecedores e ex-funcionários, a fabricante de computadores Microtec elabora um plano B para sair da crise. Uma das idéias em gestação é a criação de uma outra empresa, com nova marca, que terá a missão exclusiva de disputar licitações governamentais.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


MORDIDA

Os negócios virtuais não estão alheios às exigências do mundo real. O Superior Tribunal de Justiça determinou o pagamento de ICMS pelos provedores de internet. A discussão começou quando os provedores UOL e BOL pediram a isenção do imposto estadual. Só em São Paulo, o valor que deixaria de ser pago seria de R$ 24 milhões/ano.


DÁ CHOQUE

O celular desenvolvido pela Safety Technology
não faz chamadas. Sua função é defender o seu
dono com a ajuda de choques de 180 mil volts. O aparelho também tem uma sirene de 130 decibéis. Custa US$ 79 nos Estados Unidos.

PELO OLHAR

Um estudo feito nos laboratórios da Xerox Research Centre, na França, pretende substituir o controle remoto pelo olho humano. No trabalho, desenvolvido pelo brasileiro Rodrigo Azevedo Neves, de 24 anos, uma câmera e um sensor infravermelho percebem para em que lugar da tela está voltado o olhar e enviam as instruções para o computador.

PREJUÍZO CONTABILIZADO

O vírus Slammer, que atacou computadores em janeiro, causou prejuízo de US$ 1 bilhão nos Estados Unidos. Para se espalhar por todo o planeta, a praga virtual precisou de apenas dez minutos. O seu poder de destruição dobrou a cada 8,5 segundos até o auge do problema, segundo a Cooperative Association for Internet Data Analysis.

QUEIXA AO PRESIDENTE

As reclamações ainda não se tornaram públicas, mas em pouco tempo chegarão ao gabinete do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Executivos das maiores companhias estão preocupados com a falta de discurso em relação ao setor. Até agora, o ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral (foto), não declarou uma única vez qual será a política do governo com as empresas de tecnologia.

EM QUEDA LIVRE

As fitas de VHS estão perdendo
terreno também no mundo corporativo.
Boa parte das apresentações
empresariais sai em DVD a partir de câmeras digitais. Algumas produtoras já aposentaram as máquinas de VHS.

SEM TELEFONE

As principais empresas de telemarketing brasileiras estão criando um novo tipo de função. São os atendentes que dispensam o aparelho de telefone. A ferramenta de trabalho agora são as mensagens de e-mail e, mais recentemente, as salas de bate-papo na internet. Na Atento, a maior empresa de call center do País, 20% dos 110 clientes corporativos usam o e-mail ou o chat para se relacionar. Com eles, um único atendente orienta até quatro pessoas ao mesmo tempo.

O ROBÔ DO ARES

Cientistas brasileiros desenvolvem um dirigível guiado por um robô. Fabricado no Centro de Pesquisas Renato Archer, em Campinas, o aparelho será capaz de tomar decisões autônomas, como mudar de altitude ou acelerar o giro das hélices, para cumprir um roteiro determinado. No céu, coletará dados sobre poluição e contará os animais no campo.

UM FUTURO PARA A SUN

A americana Sun Microsystems, que faz computadores mais sofisticados para empresas, está lançando uma linha de produtos mais baratos e com processadores mais velozes. É uma tentativa de concorrer com fabricantes como a HP e IBM, que passaram a oferecer servidores com a tecnologia Intel, bem mais baratos que as máquinas com software Unix produzidas pela Sun. Dias atrás, um alto executivo da IBM chegou a dizer que o Unix está com os dias contados no mercado.

? Existem no Brasil 120 mil usuários de sites agrícolas, que negociam R$ 200 milhões ao ano, segundo a E-Consulting

? O investimento das empresas dos Estados Unidos em tecnologia caiu 1% em 2002, segundo um estudo do banco Morgan Stanley

? O mercado de programas de relacionamento com clientes (CRM) está saturado. Desde 2001, o setor encolheu 25%.