Giro

Criaturas marítimas desligam reatores nucleares na Coreia do Sul

Crédito: Reprodução/Pexels

Os organismos obstruíram os sistemas de água usados ​​para resfriar os reatores, forçando-os a fechar na última terça, a segunda vez em menos de 3 semanas (Crédito: Reprodução/Pexels)

Salpas marinhas – organismos marinhos gelantinosos que se parecem com águas-vivas – podem ser pequenas, geralmente medindo menos de 10 centímetros de altura. Mas as pequenas criaturas estão se tornando uma grande praga para a indústria nuclear sul-coreana.

Os organismos obstruíram os sistemas de água usados ​​para resfriar os reatores, forçando-os a fechar na última terça-feira (6), a segunda vez em menos de três semanas que as unidades foram desligadas. Os reatores, cada um com capacidade de 950 megawatts, ficaram fora do ar por cerca de uma semana no final de março.

+ ONS confirma novo apagão no Amapá em pelo menos 13 dos 16 municípios

Quanto mais tempo durarem, mais caros irão custar essas paralisações. Se a quantidade de energia perdida na interrupção inicial de oito dias fosse compensada com a geração de gás natural liquefeito, seria necessária uma carga de 60.000 toneladas do combustível super-resfriado, custando cerca de US $ 21,8 milhões, de acordo com o analista da BloombergNEF Olympe Mattei.



A Coreia do Sul tem 24 usinas nucleares operáveis ​​com uma capacidade combinada de mais de 23 gigawatts.

Salpas marinhas podem se ligar em correntes de vários metros de comprimento e dizem que se assemelham a um lustre de cristal flutuando no oceano. Os organismos normalmente aumentam em número em junho, mas isso parece ter acontecido em março deste ano devido a correntes quentes anteriores ao normal, disse Yu Ok Hwan , vice-diretor do Instituto Coreano de Ciência e Tecnologia do Oceano.

“Não podemos dizer ainda se o aumento da salpa é devido à mudança climática ou outros fatores”, disse Youn Seok-hyun, um cientista pesquisador do Instituto Nacional de Ciência Pesqueira . “Deve ser considerado um fenômeno temporário, a menos que vejamos um aumento contínuo na próxima década.”

O número de salpas do mar tem aumentado gradualmente nos últimos anos, de acordo com Chae Jinho, chefe do Laboratório de Pesquisa e Informação do Meio Marinho. “Dada a tendência atual, é possível que vejamos mais dessas paralisações de reatores nos próximos anos”, disse ele.

O país não é o único a ter sido forçado a interromper a geração nuclear temporariamente depois que a vida marinha obstruiu os sistemas de resfriamento de água. Em janeiro, a Electricite de France SA teve que desconectar todos os quatro reatores de sua usina nuclear Paluel, na costa norte da França, depois que peixes ficaram presos nos tambores do filtro da estação de bombeamento.

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km