Criando aviões

Criando aviões

De acordo com o jargão policial, aviãozinho é o garoto que recebe a droga do chefe, leva-a ao cliente, recebe o pagamento pela venda do produto, e depois, retorna ao ponto de origem para prestar conta do trabalho feito.

Com que idade esses garotos começam a trabalhar? Com 10 anos mais ou menos. A partir dessa idade eles aprendem disciplina, ordem, eficiência, determinação e resiliência. São treinados a seguir regras e vencer obstáculos, barreiras, desafios. Os que demonstram maior capacidade de liderança são treinados em técnicas de guerrilha, como expandir seu território e conquistar mercado.

Esse processo de formação de jovens da periferia, infelizmente vítimas do tráfico de drogas, me trouxe a memória uma experiência muito semelhante que vivi. Com 12 anos de idade, eu acompanhava meu pai em viagens de caminhão pelo interior do estado do Paraná. Em determinados pontos, ele parava o caminhão em frente a uma mercearia e dizia: “Filho, agora é sua vez. Entre na loja, fale com o dono, verifique qual mercadoria ele precisa, venha pegar o produto no caminhão, entregue-o ao cliente, cobre a fatura e traga o dinheiro para mim.”

Hoje agradeço a meu pai por sua iniciativa, disposição e boa vontade. Sem saber, ele estava treinando seu “aviãozinho” a não ter medo das pessoas, a enfrentar o desconhecido, a desenvolver confiança e autoestima. Aquelas experiências que na época apenas pareciam uma grande aventura, me ajudaram a me relacionar com as pessoas, vender, desejar vender, vender cada vez mais. E no final comemorar os resultados alcançados.

Acho que todos nós conhecemos garotos da classe média que não querem fazer nada, ficam em casa jogando vídeo game o dia todo etc. Vivem a lei do menor esforço. Bem intencionados, alguns pais tentam proteger excessivamente os filhos. Porém, sem perceber, estão tirando deles uma oportunidade de crescimento que poderia torná-los mais fortes e resilientes diante da realidade da vida. O grande desafio dos pais é auxiliar seus filhos a desenvolver as habilidades que o farão um profissional bem-sucedido no futuro. Para isso, quanto mais cedo dermos responsabilidades ao jovem, melhor preparado ele estará.

Ao darmos, conscientemente, oportunidade de escolha, decisão e autonomia aos filhos, eles terão a chance de cumprir pequenas tarefas, por vezes errarão, terão a chance de consertar o próprio erro, e, finalmente, acertar. Assim, com disciplina e determinação, treinaremos eles não para que se tornem um “aviãozinho”, mas sim para que sejam um verdadeiro “avião” em seus futuros profissionais.

Carlos Wizard Martins, 64 anos, é empresário, controlador do Grupo Sforza Holding, escritor e empreendedor social

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.