Revista

Crescimento variável: de nada a 5,7%

Crédito: Divulgação

Todo mundo tem na família aquele primo que enricou. Por mérito próprio ou métodos escusos, pouco importa, o fato é que ele se deu bem. Mas isso não significa que o resto da família parou de comer mal. E essa pequena analogia representa o avanço de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil no primeiro trimestre de 2021 sobre o último trimestre de 2020, divulgado na quarta-feira (1º) pelo IBGE. O lado bonito da foto tem o agronegócio como ator principal. Alta de 5,7%. Ruralistas felizes. Navios cheios. Produtos no além-mar. O outro destaque são mineradores que, com tanta demanda dos chineses, foram capazes de amortecer o tombo de seus pares exploradores de petróleo e repetiram a tríade: industriais felizes. Navios cheios. Produtos no além-mar. Mas do lado de cá do porto a realidade é outra. O desemprego bateu recorde (14,8 milhões), a inflação pressiona a renda do brasileiro e a alta do dólar, que ajuda o PIB e eleva e a arrecadação do governo, estrangula o orçamento do dia a dia do brasileiro comum desde o início da pandemia. Não à toa o consumo das famílias ficou estagnado negativamente em 0,1%. Parafraseando Chico Buarque em uma letra que foi censurada pela Ditadura Militar e saudava os portugueses em festa após a revolução dos Cravos nos anos 1970 “Lá faz primavera, pá/ Cá estou doente/ Manda urgentemente/Algum cheirinho de alecrim.”

RETRATO DA VÍTIMA
Quem a Covid mata

Estudo feito pelo Instituto Pólis sobre o perfil dos mortos por Covid-19 na cidade de São Paulo – 30,8 mil pessoas, entre março de 2020 e março de 2021 – dá uma mostra bastante precisa e aterrorizante de quem foram as vítimas: pobres não escolarizados. Apenas 12% tinham ensino médico completo ou ensino superior (11% não havia dados). “Considerando a escolaridade das vítimas como uma proxy sobre seu padrão de renda, os dados confirmam que a mortalidade é maior entre trabalhadores e trabalhadoras mais pobres”, afirmaram os autores do estudo. Além disso, 21% das mortes correspondem a atividades essenciais (saúde, segurança e transporte), em que o trabalho presencial não pode ser suspensa. Entre as categorias mais afetadas estão profissionais da construção civil (4,1%, sendo o pedreiro a ocupação mais comum), os de transporte de passageiros (3,2%, o dobro do que esses trabalhadores representam no total da cidade) e empregadas e empregados domésticos (2,4%, grupo composto majoritariamente por mulheres).

“Existem três tipos de mentiras. Mentiras, mentiras malditas e estatísticas” Mark Twain (1835-1910) Frase popularizada pelo escritor americano.

NOVA YORK
Quando três é demais!

Um ex-policial negro, um empresário asiático e uma funcionária pública branca de origem latina. Poderia ser o trio protagonista de uma sitcom da Warner passada em Nova York, mas é o time principal para concorrer à vaga para disputar o mais alto cargo da prefeitura da cidade americana. Os três (na ordem Eric Adams, Andrew Yang e Kathryn Garcia) são filiados ao Partido Democrata e têm estrelado nas últimas semanas um verdadeiro show de horror em praça pública e ataques constantes. Kathryn afirmou que Andrew tentou apalpá-la. Ele negou. Andrew disse que Eric recebe doações milionárias em troca de favores. Ele disse que não. Eric acusa Kathryn de racismo. Ela refuta a informação. Tudo isso acontece em praça pública, com debates sendo interrompidos, gritaria, choro e desespero. Todos os elementos para um sucesso de audiência. E como toda boa história americana pode ser adaptada no Brasil, os roteiristas das prévias do PSDB para 2022 já podem preparar as canetas.

QUIZ DA DINHEIRO
Quem preside o Patriota

Divulgação

A. ( ) Luís Roberto Barroso
B. ( ) Júlio Barroso
C. ( ) Ary Barroso
D. ( ) Adilson Barroso
E. ( ) José Manuel Durão Barroso

Pela expressividade, não deveria importar. Mas importa. Porque seu presidente (o Adilson Barroso, alternativa D) é um empreendedor familiar. Ruim de voto, bom de política, ele criou há dez anos um negócio chamado Partido Ecológico Nacional. Em 2017, o nome foi alterado para Patriota. Deve ser a nova sigla de Jair Bolsonaro. Seu quadro no Congresso é de cinco desconhecidos deputados e zero senador. Se na briga política nacional a legenda é quase nada, como empreendimento é um sucesso. Pelo menos para o clã Barroso. De acordo com reportagem da Folha de S.Paulo, ele e a família – mulher, ex-mulher, filha, sobrinhos, cunhada… um time de dez pessoas – abocanharam em salários R$ 1,1 milhão no período entre 2017 e 2020. Apenas Barroso e a atual mulher teriam recebido no ano passado R$ 337 mil. Você sabe quem pagou, né? O Fundo Partidário e sua caixinha de quase R$ 1 bilhão em 2021 . Em suma, eu e você.

VAI QUE É TUA, GENERAL
Entrada estratégica

Divulgação

Ex-sinistro da Saúde Eduardo Pazuello fez tudo direitinho. Saiu do governo sem atirar, defendeu o presidente Bolsonaro na CPI e assumirá a bala de prata por problemas no combate da Pandemia. E todo bom soldado merece uma medalha. A dele veio no Diário Oficial da União com a nomeação a secretário de Estudos Estratégicos da Presidência da República. A novidade ocorre como abrigo de batalha após a abertura de apuração, pelo Exército, da participação de Pazuello em ato político (o que é vetado por regulamento militar). E aí começa o imbróglio. A nomeação é uma afronta ao comandante do Exército, o general Paulo Sérgio Nogueira, que vinha sendo pressionado por seus pares para dar uma punição ao ex-ministro. O peso da punição a Pazuello dará o peso da cadeira de Nogueira.

FUTEBOL
Um 7 a 1 para chamar de meu

Divulgação

Assim pode ser definida a decisão de aceitar a realização de um torneio de visibilidade global a duas semanas de sua realização num país que caminha para meio milhão de mortes pela Covid. Inicialmente estava prevista para acontecer na Argentina e na Colômbia, mas os dois países abriram mão da encrenca. O primeiro porque enfrenta nova onda de casos de Covid-19 e recebeu um dilúvio de manifestações em redes sociais contra a realização do evento. O segundo porque vive um mês de protestos sociais contra o governo do presidente Iván Duque. Por aqui, Jair Bolsonaro disse na manhã de terça-feira (1) que se depender dele e de seu ministério, “incluindo o da Saúde”, os jogos acontecerão no Brasil. “Quando dei sinal verde houve uma hecatombe. Será por que na Copa América a transmissão não será da Globo, mas do SBT? Parece que é.” Torneios nacionais e continentais continuam a ser jogados no Brasil, assim como eliminatórias da Copa de 2022. Pelo menos dois estados (Pernambuco e Rio Grande do Norte) já disseram que não aceitarão as partidas da Copa América e um (Rio Grande do Sul) está propenso ao não. A Conmebol (associação que cuida do futebol no continente) tenta a todo custo evitar o cancelamento do torneio em função de contratos firmados.