Economia

Crescimento resiste no primeiro trimestre na China

Crescimento resiste no primeiro trimestre na China

Fábrica de produção de alumínio em Nanning, região de Guangxi - AFP/Arquivos

O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) na China se estabilizou em 6,4% no primeiro trimestre de 2019, apesar da demanda mundial em baixa e da guerra comercial com os Estados Unidos.

O número foi anunciado nesta quarta-feira pelo Departamento Nacional de Estatísticas (BNS), juntamente com outros indicadores bastante otimistas sobre a saúde da segunda maior economia do mundo.

“A economia nacional mostrou um desempenho estável, com mais fatores positivos, que encorajaram uma confiança reforçada no mercado”, declarou Mao Shengyong, porta-voz do SNB.

Em 2018, o crescimento desacelerou trimestre a trimestre (6,8%, 6,7%, 6,5%, 6,4%), em um contexto de esforços das autoridades para reduzir a dívida e as tensões comerciais com a administração do presidente americano Donald Trump.

Mas, no primeiro trimestre de 2019, o PIB resistiu e até cresceu mais que a previsão média de 12 analistas consultados pela AFP, que esperavam 6,3%.

“Levando em conta a desaceleração do crescimento econômico mundial e do comércio internacional, as crescentes incertezas internacionais e os importantes problemas estruturais internos (…) a pressão descendente da economia persiste”, disse Mao Shengyong, no entanto.

Para apoiar a economia real, o governo chinês se comprometeu em março a reduzir a pressão fiscal e as contribuições sociais para as empresas em quase dois trilhões de iuanes (265 bilhões de euros).

Ao mesmo tempo, o governo chinês está tentando dar apoio às empresas que precisam de crédito, mas sem aumentar muito a dívida global do país, que já é de 155% do PIB, segundo a OCDE.

É por isso que as autoridades encorajam os bancos chineses a aumentar seus empréstimos para pequenas e médias empresas, até então esquecidas em detrimento de grandes grupos estatais, em muitos casos não lucrativos.

“Com o aumento dos empréstimos acelerando e o momento do mercado melhorando, a economia chinesa vai crescer novamente quando atingir seu ponto mais baixo, o que pode ser o caso”, afirma Julian Evans-Pritchard, economista da consultoria Economia de Capital.

– Desemprego em baixa –

A China anunciou uma meta de crescimento entre 6% e 6,5% este ano, após os 6,6% registrados em 2018, seu menor nível em 28 anos.

Apesar desse objetivo mais modesto, a taxa de desemprego urbano, fator crucial para a manutenção da estabilidade social, caiu ligeiramente de fevereiro para março, de 5,3% para 5,2%.

A China tenta continuar com a estabilização de sua economia, em detrimento de sua indústria pesada e favorecendo o consumo interno.

Nesse sentido, as vendas no varejo permaneceram estáveis no primeiro trimestre (+ 8,2%), anunciou o SNB.

Um bom número, tendo em conta que no mesmo período as exportações caíram, um sinal da fraqueza da demanda global.

Outro fator positivo é o aumento dos investimentos em capital fixo – 6,3% no primeiro trimestre -, um pouco mais do que entre janeiro e fevereiro (6,1%).

Já a produção industrial registrou crescimento mais forte, 6,5% no primeiro trimestre, 1,2 ponto a mais do que em relação a janeiro-fevereiro.

Com uma economia que parece estar se estabilizando, analistas alertam que o governo chinês poderá parar de adotar medidas de estímulo.

“O Banco Central parece estar mais cauteloso”, diz Raymond Yeung, do banco ANZ.

“Acreditamos que vão reavaliar a necessidade de medidas suplementares de estímulo”, acrescentou.

Paralelamente, a guerra comercial entre China e Estados Unidos, que durante um ano afetou a economia chinesa, parece próxima de uma solução após nove reuniões de alto nível entre negociadores de ambas as potências.

No entanto, ainda não há data para a assinatura de um acordo entre o presidente chinês, Xi Jinping, e seu colega Donald Trump.

Os dois países impõem tarifas sobre produtos no valor de US$ 360 bilhões por ano.