Edição nº 1074 15.06 Ver ediçõs anteriores

Crescimento orgânico e sustentável, a receita do Grupo Sabin

Sede da rede de medicina diagnóstica, em Brasília, é a primeira do setor a receber o selo Green Building Gold

Crescimento orgânico e sustentável, a receita do Grupo Sabin

A CEO Lídia Abdalla diante do complexo de 14 mil m², na capital federal

Nos últimos 10 anos, o setor de saúde passou por grandes mudanças no Brasil, pautadas por fusões e aquisições de empresas. Um movimento que envolveu laboratórios de medicina diagnóstica, administradoras de planos de saúde e até hospitais. Neste contexto, tradicionais bandeiras, como Amil, Copa D`Or e Hospital Samaritano trocaram de mãos ou passaram a contar com um sócio investidor. Em meio aos desafios, as sócias-fundadoras do Sabin Medicina Diagnóstica, com sede em Brasília, se viram diante do seguinte dilema: expandir a atuação do Sabin para além do Planalto Central e se tornar um jogador ativo neste setor ou ficar parado e correr o risco de ser engolido pelas gigantes.  

Ao optar pela primeira opção, as bioquímicas Janete Vaz e Sandra Soares Costa, que fundaram a empresa em 1984, tiveram de implementar mudanças profundas, algumas das quais impensáveis em se tratando de empresas familiares. A começar por abrir mão da gestão do negócio, entregue a Lídia Abdalla, uma das executivas forjadas na cultura interna e que passou a ocupar o cargo de CEO.

Deu certo. Neste ano, o faturamento do Sabin deve crescer entre 15% e 20% em relação aos R$ 830 milhões de 2017, obtidos por meio de 235 unidades espalhadas por 11 estados das cinco regiões, onde atuam 4,4 mil trabalhadores. O montante expressivo para o patamar da economia brasileira é resultado de uma minuciosa estratégia, que incluiu um completo raio-X do negócio como base para um modelo de planejamento que privilegia a visão de longo prazo.

De certa forma, um resumo deste processo é o prédio que abriga a sede da empresa. Erguida ao custo de R$ 60 milhões, sendo metade do valor bancado com recursos próprios e o restante por meio de financiamentos, a unidade foi projetada para incorporar inúmeros preceitos da sustentabilidade. Tanto do ponto de vista ambiental, quando no que se refere à funcionalidade.

O esforço valeu a pena. O prédio acaba de conquistar a certificação Green Building Gold, também conhecido como selo verde. “Somos a primeira empresa do setor de análises clínicas a conseguir este certificado”, destaca Lídia. De acordo com a executiva, o edifício foi concebido para causar o menor impacto possível ao ecossistema. A começar pelo uso de recursos naturais, como água e energia.

Sistema de aquecimento solar e de calhas para aproveitar água da chuva, além do tratamento da água, permitem uma economia de 15% na conta de luz e a reutilização de 46% da água que abastece o complexo de 14 mil m² de área construída, situado próximo ao Parque Nacional de Brasília. Uma economia estratégica do ponto de vista do negócio. “Nós não fomos afetados pela grave crise hídrica que atingiu o Distrito Federal, ao longo de 2017”, destaca.

Depois de passar os últimos cinco anos investindo na aquisição de concorrentes de menor porte, situados em praças importantes, como Triângulo Mineiro, interior de São Paulo e Bahia, a nova orientação é reforçar o crescimento orgânico. Para isso, o Sabin está ampliando sua atuação para o nicho de exames de imagens, cujo tíquete médio é maior em relação aos clínicos. “Nossa meta é reunir em um só lugar um grande portfólio de produtos para atender melhor os clientes”, explica a CEO Lídia.


Mais posts

Como a Vazoli deixou a pequena Severínia para movimentar R$ 300 milhões

A Vazoli Franchising nasceu na minúscula Severínia (SP) e hoje movimenta R$ 300 milhões em empréstimos, financiamentos e venda de seguros

Como a Ecometano ganha dinheiro com o lixo

A Ecometano aposta no metano existente em aterros sanitários e nos rejeitos da produção de açúcar para ganhar dinheiro. Saiba como

Água para beber, para produzir e para gerar riquezas

Conheça a paulistana General Water, que cresce 20% ao ano com a prospecção de água e tratamento de esgoto para grandes consumidores

Luz, câmera e consciência social!

Incentivos legais ajudam a aquecer o mercado cinematográfico, beneficiando produtores independentes de segmentos até então [...]

Olha o picolé! Quem vai querer picolé?!

Conheça a paulista Ice Creamy, rede de sorveterias semi artesanais feitos na pedra, cuja expectativa é faturar R$ 100 milhões neste ano
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.