Edição nº 1099 07.12 Ver ediçõs anteriores

Crescer o dobro em 2019 é muito otimismo?

Crescer o dobro em 2019 é muito otimismo?

O economista-chefe do banco Itaú, Mário Mesquita, prevê expansão de 2,5% para o PIB do Brasil em 2019

Olá, pessoal, tudo bem? Hoje, eu gostaria de conversar sobre o crescimento econômico do Brasil. Depois da tragédia no biênio 2015-2016 (retração de quase 7%), o Produto Interno Bruto ((PIB) do País avançou 1% no ano passado e deve encerrar 2018 com expansão de 1,3%. São, portanto, dois anos de Pibinhos, mas podemos afirmar que saímos da recessão. Para 2019, no entanto, o mercado financeiro projeta um crescimento de 2,53%, a partir de algumas premissas desafiadoras. A pergunta é simples: crescer o dobro no ano que vem é muito otimismo? A resposta não é tão simples assim.

Em primeiro lugar, é preciso salientar que a projeção de 2,53% está no boletim Focus do Banco Central, que colhe cerca de cem estimativas todas as semanas. Como se trata de uma mediana, há instituições financeiras e consultorias que acreditam em expansão maior ou menor do que essa. O banco Santander, por exemplo, está na ponta “otimista”, com previsão de alta de 3,5% do PIB.

Nesta quarta-feira 5, participei de um encontro com a equipe econômica do banco Itaú, capitaneada pelo ex-diretor do Banco Central Mário Mesquita. A projeção do Itaú é de expansão de 2,5% do PIB em 2019, em linha com a mediana do mercado. Essa aceleração econômica no Brasil tem várias premissas – e é aqui que mora o perigo.

No cenário internacional, com tendência de gradual desaceleração, as premissas são: o Banco Central dos Estados Unidos (Fed) elevará os juros, no máximo, mais três vezes (até 3,25% ao ano); a guerra comercial entre EUA e China não afunda a economia global; a China mantém, ao menos, o patamar de crescimento de 6% do PIB; e a Itália não entra em colapso fiscal.

Convenhamos, há nuvens carregadas que podem naufragar essas premissas. Só para citar um exemplo: se a guerra comercial for intensificada e resultar numa desaceleração do PIB chinês para “apenas” 4,5%, o mundo crescerá 2,5% (ante previsão inicial de 3,5%) e o Brasil voltará a um Pibinho de 1,5%, segundo estimativas do Itaú. Vale a pena bater três vezes na madeira…

No cenário interno, a premissa básica é a de que o governo Bolsonaro vai entregar “alguma” reforma da Previdência. Mesquita e sua equipe acreditam que, pelo menos, a idade mínima e a regra de transição serão aprovadas no Congresso Nacional ainda no primeiro semestre. Sem a reforma da Previdência, não há como ancorar as expectativas fiscais. “Tudo depende das reformas”, afirmou Mesquita diversas vezes, salientando que a equipe econômica do superministro Paulo Guedes também terá de resolver a bomba fiscal em vários Estados.

Em resumo: o pior já passou e o Brasil tem totais condições de crescer mais de 2% no ano que vem. O crédito deve ficar mais barato e, portanto, vai impulsionar ainda mais o consumo, assim como a renda dos trabalhadores tende a se expandir gradativamente. O investimento, aos poucos, voltará a impulsionar a economia, seja na infraestrutura, seja nos parques industriais. O primeiro ano do governo Bolsonaro tem tudo para dar certo na economia. Respondendo à pergunta inicial, não acho que crescer o dobro do ritmo de 2018 seja otimismo, mas não depende apenas do novo presidente da República. Falta combinar com Trump, Xi Jinping e algumas centenas de parlamentares em Brasília.


Mais posts

O “dream team” de Bolsonaro na Economia

Das poucas coisas esclarecedoras que o período eleitoral nos proporcionou foi a nomeação antecipada do ultraliberal Paulo Guedes para [...]

O silêncio ensurdecedor de Bolsonaro e Haddad

Olá, pessoal, tudo bem? Tenho uma confissão a fazer. Vibrei quando o resultado das urnas mostrou que nós teríamos o 2º turno na eleição presidencial. A minha vibração não tem nada a ver com a colocação dos candidatos, pois continuo tendo uma postura completamente apartidária. Fiquei empolgado com a possibilidade de um amplo debate sobre […]

Vote com o estômago e não com o fígado

Faltam poucos dias para o 1º turno das eleições. É natural que a disputa à Presidência da República centralize as atenções de todos e é sobre ela que falaremos aqui, no blog “Decomplicando a Economia”. No entanto, vale destacar a importância de boas escolhas para os governos estaduais, que, em sua maioria, vivem numa completa […]

Na festa do PIB, brilhou o risco eleitoral

Na noite da quinta-feira 13, em evento na cidade de São Paulo, a Editora Três celebrou mais uma edição de AS MELHORES DA DINHEIRO. Trata-se da principal premiação empresarial do País, na qual as melhores companhias de 26 setores são destacadas pelo seu desempenho nas seguintes áreas: gestão financeira, governança corporativa, responsabilidade social, recursos humanos […]

Reajustes no setor público são um tapa na cara da população

O Brasil está no vermelho. Há vários anos, o rombo das contas públicas vem superando a marca dos R$ 100 bilhões. Em 2019, qualquer que seja o presidente da República, o problema se repetirá. Eis que, neste contexto, o governo federal resolveu promover uma farra fiscal com a conivência dos principais candidatos. Na quarta-feira 29, […]

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.