Giro

CPI: servidora mostra e-mail em que Bharat Biotech confirma ser dona da Madison

Crédito: Marcos Oliveira/Agência Senado

Regina Celia Oliveira, concursada do Ministério da Saúde desde 1995, chega para depor na CPI da Covid-19 (Crédito: Marcos Oliveira/Agência Senado)

A servidora do Ministério da Saúde, Regina Célia Oliveira, prestou depoimento para a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 nesta terça-feira (6) e mostrou que recebeu e-mail da Bharat Biotech supostamente confirmando que a Madison, com sede em Singapura, era incorporada à farmacêutica indiana.

A comissão investiga denúncias de irregularidades nos contratos de compra da vacina indiana Covaxin, denunciada pelo servidor Luis Ricardo Miranda, chefe do departamento de importação da Saúde, e seu irmão, Luis Miranda (DEM-DF).

+ ‘Deixa ele falar!’, diz Bolsonaro ao cobrar convocação de Barros à CPI da Covid

+ Lewandowski pede manifestação da CPI em 5 dias sobre adiamento de depoimento de Barros



Fiscal de contrato da Saúde desde 2016, Oliveira disse que recebeu invoice da Bharat Biotech em 22 de março. Esta proposta de compra  teria de ser alterada para acatar regulamentação da Índia quanto ao envio de 3 milhões de doses – seriam 20 milhões de doses iniciais, que teriam de ser alteradas contratualmente. O segundo ponto do invoice, no entanto, estipularia a Madison como representante da farmacêutica.

“Não aceitei. Respondi duas horas depois que daria continuidade (ao contrato) e que em relação ao segundo ponto aguardava comprovação. Não aceitei o envio de invoice em nome da Madison. Aceitei em relação ao quantitativo de 3 milhões”, afirmou.

Depois disso, a empresa indiana teria encaminhado, em 23 de março, o e-email apresentado à CPI que as empresas serim incorporadas ao mesmo grupo. “Não houve negociação.  Neste email, eu não aceitei o envio de invoice em nome da Madison. Aceitei o envio das 3 milhões de doses. Aguardava documentação para comprovação (da Madison). e encaminharia ao departamento de logística”.

Embora tivesse permanecido com essa divergência contratual em relação à documentação da Madison, o contrato para a compra da Covaxin, no valor de R$ 1,6 bilhão, foi encaminhado à área de importação da Saúde, chefiada por Luis Ricardo Miranda.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago