Edição nº 1092 19.10 Ver ediçõs anteriores

Coxa de marca própria

Coxa de marca própria

Na disputa dos times brasileiros para garantir o melhor contrato de fornecimento de material esportivo, o Coritiba decidiu “abandonar o campeonato” e jogar com as suas próprias regras. Depois de quatro anos com contratos com gigantes como a Nike e depois a Adidas, a equipe campeã brasileira de 1985 está criando uma marca própria. Trata-se da 1909, ano de fundação do clube. A estimativa do Coritiba é lucrar R$ 1 milhão no primeiro ano de operação. Segundo seus dirigentes, em dois anos, o contrato com a Adidas trouxe um faturamento de R$ 6,3 milhões à fornecedora e rendeu apenas R$ 200 mil ao clube. A diretoria do Coxa entendeu que, no fim das contas, pagava para utilizar o logotipo da empresa alemã, descontadas as obrigações do acordo. No caso do contrato com a Nike, que vigorou entre 2013 e 2015, o faturamento do clube foi de R$ 524 mil. A fabricação da 1909 será da Bomache, de Fortaleza, que já produziu para outros times como o Paysandu, o Santa Cruz e o Fortaleza. A empresa também ficará responsável pela distribuição e a operação das lojas e as vendas online ficarão a cargo do Coritiba.

(Nota publicada na Edição 1081 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Carlos Eduardo Valim, Márcio Kroehn e Moacir Drska)


Mais posts

“Nos últimos 12 meses, lançamos 11 carros”

Desde que assumiu o comando da Volkswagen para a América Latina, em setembro de 2017, o executivo argentino Pablo Di Si tem trabalhado [...]

A churrascada do Habib’s

Mais conhecido por suas esfihas e coxinhas, o Habib’s começa a dar mais atenção a outra frente do seu cardápio de negócios. O grupo [...]

O primeiro bilhão do Grupo Leforte

Para qualquer empresa, atingir a marca de R$ 1 bilhão de faturamento pela primeira vez é um feito que merece comemoração. Em 2018, esta [...]

Lição de casa para o futuro

A fabricante chinesa de painéis solares Trina já tem pronto um plano para começar a produzir seus componentes no Brasil. Com operações em ao menos 100 países e mais de 14 mil funcionários, a Trina produz hoje na China, no Vietnã e na Tailândia. Nas contas da Trina, o Brasil tem condições de alcançar 4% […]

Pela tela do celular

Recentemente, Lincoln Martins, que comanda as operações do grupo Sforza na área de alimentação, revelou à coluna que as redes de fast [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.