Giro

Covid: Se infectou mais de uma vez? Conheça os tipos de pessoas mais vulneráveis

Crédito: Reprodução/Pixabay

Pesquisadores acreditam que o Sars-CoV-2 é mais parecido com os outros coronavírus do que com o influenza, que tem maior circulação nos meses de inverno. (Crédito: Reprodução/Pixabay)



Mais de dois anos de pandemia, cientistas ainda estão aprendendo sobre o comportamento do vírus. Se no início acreditava-se que a vacina ou a infecção traria uma imunidade evitando uma possível reinfecção, a variante Ômicron mudou tudo isso.

Embora menos agressiva, a variante é mais transmissível, infecciosa e com maior potencial de escapar das defesas do sistema imune. Sua disseminação fez com que os casos de reinfecção se tornassem cada vez mais comuns.

+ Brasil tem 43,8% da população total imunizada com a 3ª dose contra a covid

Agora, pesquisadores acreditam que o Sars-CoV-2 é mais parecido com os outros coronavírus do que com o influenza, que tem maior circulação nos meses de inverno. Por isso, se nada mudar, a expectativa é que será comum receber um diagnóstico positivo para Covid-19 duas ou três vezes por ano.




Embora qualquer pessoa possa ser reinfectada nessas circunstâncias, alguns grupos podem estar mais vulneráveis. São eles:

  • Pessoas não vacinadas ou que não receberam todas as doses recomendadas;
  • Pessoas que pegaram Covid-19 no início da pandemia;
  • Quem desenvolveu um quadro leve da doença anteriormente;
  • Idosos e pessoas com imunossupressão;
  • E pessoas com mutações genéticas que aumentam sua suscetibilidade à infecção pelo novo coronavírus.

Casos de Covid-19 ou de reinfecção pelo novo coronavírus mesmo após a vacinação não significam que as vacinas não funcionam. Embora os imunizantes atuais tenham baixa eficácia contra infecção pela Ômicron e suas subvariantes, elas apresentam alta proteção contra hospitalizações e mortes, que é justamente o objetivo da vacina.

Além disso, estudo mostram que a dose de reforço, assim como a imunidade híbrida (caracterizada pela vacinação seguida de uma infecção anterior), parece de fato reduzir as chances de reinfecção. Portanto, pessoas com a vacinação completa – incluindo o reforço – têm menor probabilidade de serem reinfectadas do que aquelas que não estão vacinadas ou que não completaram o esquema.


Pessoas que tiveram Covid-19 há mais tempo, por exemplo, em 2020 e início de 2021, também correm maior risco visto que o nível de anticorpos diminui gradativamente.

Por fim, pessoas que têm alguma alteração genética que aumenta sua probabilidade de infecção também podem correr um risco aumentado de reinfecção. Um estudo publicado na revista Nature, em julho de 2021, mostrou que alterações em quatro pontos do material genético aumentam o risco de infecção pelo Sars-CoV-2.






Tópicos

. Sanofi vacina 3ª dose 4ª dose astrazenca sintomáticos astrazeneca coágulos astrazeneca efeitos colaterais astrazeneca eficácia astrazeneca vacina vencida BIOMM butanvac butanvac eficacia Butanvac estudos Butanvac lançamento Butanvac origem butanvac piracicaba butanvac voluntários CanSino ceo moderna Como é a variante indiana? como funciona vacina pelo nariz? como testar butanvac coronavac 3ª dose coronavírus coronavírus Brasil coronavírus quantas cepas covid infectados brasil covid infectados mundo curevac dose de reforço dose de reforço 60 anos doses diferentes efeitos colaterai vacina eficacia coronavac eficácia coronavac variante indiana eficácia curevac eficácia pfizer eficácia pfizer primeira dose eficácia segunda dose eficacia vacina Oxford estados vão manter vacinação adolescentes fim da pandemia fiocruz eficácia fiocruz produção fiocruz vacina Foi liberado a vacina para maiores de 18 anos? imunidade dura quanto tempo 3ª dose imunização ativa e passiva imunização de rebanho imunização SP infectados EUA covid inscrições teste butanvac Janssen eficácia janssen janela de imunização janssen período de proteção janssen precisa de mais uma doze maiores de 50 nova vacina no Brasil O que é a variante P4 da Covid-19? o que é resposta imune? OMS autoriza imunizante feito na América Latina OMS vacina argentina México OMS vacina latino americana pandemia balanço brasil pandemia balanço mundo pfizer 3ª dose pfizer efeitos adversos pfizer segunda dose planos de vacinação brasil por que anvisa proibiu coronavac porque Sanofi suspendeu vacina? pra que tomar 3ª dose? quais vacinas estão sendo aplicadas no brasil quais variantes já chegaram no Brasil? Qual é a nova variante da Índia? qual vacina precisa de 3ª dose? qual vacina precisa dose de reforço Qual vacina protege contra variante delta? Qual vacina protege contra variante indiana? quando a pandemia vai acabar quando vão liberar a Butanvac quantas vacinas Butantan quantas vacinas tem o Brasil quarta dose benefício quarta dose imunidade quarta dose riscos Que comorbidade pode vacinar? Quem pode se vacinar SP? recomendação anvisa recomendação ministério da saúde resposta imune Delta Plus resposta imune variante delta resposta imune variante Gamma Sanofi origem sanofo segunda dose coronavac SP SP 4ª dose SP aplica 4ª dose maiores de 50 anos e profissionais de saúde spray nasal covid vacina 3ª dose vacina balanço mundo vacina Convidecia vacina coronavac proibição vacina da Moderna vacina efeitos adversos vacina eficácia vacina intranasal vacina mortes vacina mortos brasil vacina mortos mundo vacina nova pandemia vacina oms vacinação vacinação adolescentes vacinação balanço brasil vacinação cruzada Vacinação EUA 4ª dose Vacinação EUA dose de reforço vacinação infantil anvisa autoriza vacinação infantil Bolsonaro motivos vacinação infantil consulta pública vacinação infantil governo não quer vacinação infantil idade vacinação infantil quando começa vacinação intercambiável vacinação quarta dose FDA vacinação trocada vacinas balanço 2021 vacinas possíveis vacinas sobrepostas variante delta brasil variante delta disseminação variante delta OMS variante delta países variante indiana brasil variante indiana letalidade variante indiana risco variante Manaus variante tanzania