Mundo

Covid está recuando nos EUA? Dados apontam para cenário encorajador

Covid está recuando nos EUA? Dados apontam para cenário encorajador

Sinal em local de testagem de Covid-19 em Indianápolis

Por Maria Caspani

NOVA YORK (Reuters) – Novos casos de coronavírus estão caindo nas partes dos Estados Unidos mais atingidos pela variante Ômicron, de acordo com uma análise da Reuters de dados de saúde pública, oferecendo uma indicação inicial de que o vírus pode estar novamente em retração.



As infecções por Covid-19 diminuíram em 19 Estados, além de Washington D.C. e Porto Rico, mostrou uma análise de dados da semana passada até quinta-feira em comparação com uma semana antes.

No Nordeste dos EUA, que registrou alguns dois maiores volumes de casos durante a alta mais recente, as infecções caíram 40% em relação a semana anterior.

“Certamente é um bom presságio para nós em termos da trajetória da Ômicron”, disse Wafaa El-Sadr, professora de epidemiologia e medicina da Universidade de Columbia, em Nova York.

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!



O declínio foi mais modesto em nível nacional, com queda de 7% nos novos casos reportados de Covid-19 durante o mesmo período, de acordo com contagem da Reuters, à medida que a Ômicron avança em algumas outras partes do país.

Os dados de casos de Covid-19 geralmente atrasam em alguns dias em relação ao estado atual das coisas.

No Centro-Oeste dos EUA, os casos aumentaram 11% nos últimos sete dias em comparação com a semana anterior, e subiram 2% no Sul norte-americano, embora a alta tenha desacelerado consideravelmente nas últimas semanas. Os Estados ocidentais tiveram queda de 3% de novas infecções na semana, de acordo com a contagem.

Em todo o país, a média de novos casos continua em uma alta de 738 mil por dia, abaixo do pico de 805 mil de 15 de janeiro.

As mortes, que geralmente têm um atraso de cerca de três semanas em relação aos novos casos e estão ocorrendo principalmente entre não vacinados, estão em uma média mais de 2 mil por dia, um aumento de 50% desde o início do mês.

Esse é o maior número médio de óbitos por Covid-19 desde o final de setembro, mas inferior ao recorde atingido em janeiro de 2021 de 3.300 vidas perdidas por dia.

As hospitalizações por coronavírus, também um indicador defasado, estabeleceram um recorde na quinta-feira de 152.746, segundo contagem da Reuters, mas têm mostrado sinais de estabilização para cerca de 150 mil internações durante a semana passada.

“Temos que estar cientes de que não estamos fora de perigo, que há um vislumbre de esperança, há luz no fim do túnel”, disse El-Sadr. “Essa luz está mais perto ou mais longe com base em quem você é e onde você está.”

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI0K11A-BASEIMAGE