Giro

Covid-19: risco sobe de baixo para moderado no Norte Fluminense

O Norte Fluminense foi a única região do estado do Rio de Janeiro a ter a avaliação de risco elevada de Bandeira Amarela (baixo) para Bandeira Laranja (moderado) no Mapa de Risco da Covid-19 divulgado hoje (17) pela Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19. As outras oito regiões do estado apresentam Bandeira Amarela.

Segundo a secretaria, a avaliação de risco moderado para o Norte Fluminense se deu por causa do aumento do número de óbitos, apesar da queda do número de casos. O Norte Fluminense concentra 5,5% da população do estado e reúne municípios como Campos dos Goytacazes e Macaé.

O último Mapa de Risco foi divulgado em 3 de setembro, e apontava sete regiões com Bandeira Amarela, entre elas o Norte Fluminense. No início do mês, o risco era considerado moderado para a Baía da Ilha Grande e o Noroeste Fluminense, que tiveram redução significativa em seus números de casos e óbitos na avaliação de hoje.

Piora na Região Metropolitana

Apesar de as regiões Metropolitanas I e II ainda apresentarem baixo risco (Bandeira Amarela), o mapa divulgado hoje foi o primeiro a informar aumento das internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no município do Rio de Janeiro. Além disso, não foi registrada queda sustentada nos números de casos e óbitos nas duas áreas da região Metropolitana, destacou o chefe do gabinete da Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, Danilo Klein, que afirmou que a capital e arredores agora estão no limite de ter seu risco elevado para a Bandeira Laranja.  

“Desde o pico da pandemia, nas duas primeiras semanas de maio, vínhamos com quedas de internações por coronavírus sustentadas. É a primeira vez em que há aumento do número de internações na capital. Nas regiões Metropolitanas I e II, pela primeira vez não está havendo queda sustentada no número de internações e de óbitos”, disse.

A nota técnica que acompanha o mapa de risco  informa que “a capital apresentou um aumento de 43 internações na semana epidemiológica (SE) 35 [de 23 de agosto a 29 de agosto], comparada a SE 33 [de 9 de agosto a 15 de agosto], registrando pela primeira vez um aumento no número de internações. Outro fator importante que exige atenção na Capital é a desmobilização dos leitos covid, que impactam também na taxa de ocupação”.

Segundo o Mapa de Risco, o número de óbitos em todo o estado apresentou queda de 10,68% ante a segunda semana de agosto, enquanto o número de casos caiu 10,38%. “Estes indicadores, associados à taxa de ocupação dos leitos, mantém a classificação do Estado do Rio na Bandeira Amarela, de risco baixo”, avalia a secretaria.

111 vítimas

O boletim divulgado hoje pela Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES) mostra que 111 mortes foram confirmadas no estado, elevando o total de óbitos para 17.453. Segundo com a SES, há ainda 386 mortes em investigação.

O número de casos acumulado desde março chegou a 246.843, com o acréscimo de mais 651 casos no balanço de hoje. Há 4.080 pacientes com covid-19 em acompanhamento e 224.977 são considerados recuperados.  

O município do Rio de Janeiro soma 97.339 casos, dentre os quais 10.391 pessoas foram a óbito. 

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?