Giro

Covid-19: Reino Unido prepara vacinação de mulheres grávidas

Crédito: Reprodução/Pexels

Comitê de Imunização diz que é preferível que as vacinas Pfizer-BioNTech ou Moderna sejam oferecidas a mulheres grávidas no Reino Unido, quando disponíveis. (Crédito: Reprodução/Pexels)

Segundo o Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização [Joint Committee on Vaccination and Immunisation, JCVI], dados dos Estados Unidos, onde cerca de 90 mil mulheres já foram vacinadas, indicam que o fármaco à base de uso de tecnologia RNA mensageiro (mRNA) é seguro.

+ Brasil tem 3.070 mortes pela covid-19 registradas nas últimas 24h

“Com base nesses dados, o Comitê informa que é preferível que as vacinas Pfizer-BioNTech ou Moderna sejam oferecidas a mulheres grávidas no Reino Unido, quando disponíveis”, afirmou o organismo que aconselha o executivo.

No total, 32.574.221 pessoas foram imunizadas com uma primeira dose, das quais 8.931.547 já receberam uma segunda dose, a qual é administrada com um intervalo de entre três e 12 semanas.

Desde o início da pandemia, morreram no Reino Unido 127.225 pessoas entre 4.383.732 casos de infeções confirmados.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.987.891 mortos no mundo, resultantes de mais de 139 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel