Economia

Covid-19 estimula o comércio eletrônico mas não em todos os setores

Covid-19 estimula o comércio eletrônico mas não em todos os setores

O grupo Alibaba continua com o líder mundial do comércio eletrônico - AFP

As restrições relacionadas à covid-19 provocaram um grande estímulo para o comércio eletrônico no ano passado, mas não para todas as empresas, de acordo com uma pesquisa da ONU.

Em um estudo, a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD, na sigla em inglês) observa que o setor registrou um “avanço espetacular” em um contexto de restrições de deslocamento, apesar de a pandemia ter destruído setores inteiros da economia.

Mas efeitos negativos da pandemia foram registrados nos serviços de compartilhamento de veículos ou de viagens, indica a instituição, que baseia o relatório em estatísticas de sete países (Austrália, Canadá, China, Coreia do Sul, Singapura, Reino Unido e Estados Unidos) e que representam quase dois terços das vendas online de empresas ao consumidor (chamadas B2C).

Os dados relativos a estes países mostram que as vendas no varejo online aumentaram 22,4% ano passado, a 2,45 trilhões de dólares, enquanto em 2018-2019 havia registrado avanço de 15,1%.

“Entre 2018 e 2019, a participação do online nas vendas totais do varejo aumentou 1,7 ponto percentual, enquanto entre 2019 e 2020 aumentou 3,6 pontos percentuais. O avanço é mais do que duas vezes mais rápido”, explica o autor do estudo, Torbjorn Fredriksson, à AFP.

A evolução, no entanto, depende do país: na Austrália, as vendas online avançaram 59%, no Reino Unido 46,7% e nos Estados Unidos 32,4%, mas na China apenas 14,6%.

A UNCTAD ainda não dispõe de dados mundiais para 2020, mas vários estados sugerem um forte crescimento do comércio eletrônico em outras regiões, segundo Fredriksson.

O grupo latino-americano do comércio online Mercado Livre registrou uma alta de 40% em média nas buscas efetuadas por cada usuário no conjunto de suas atividades da América Latina entre o fim de fevereiro e o fim de maio de 2020.

Jumia, gigante do setor na África, registrou um crescimento de mais de 50% do volume de transações nos seis primeiros meses de 2020 na comparação com o mesmo período de 2019, afirmou o especialista.

– Alibaba continua líder –

Em 2019, as estatísticas mostram que as vendas mundiais do comércio eletrônico alcançaram quase 26,7 trilhões de dólares, um aumento de 4% na comparação com 2018.

O valor inclui tanto as vendas entre empresas (B2B), que representam a grande maioria (82%) do comércio eletrônico, e de empresa a consumidor (B2C), e equivale a 30% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial do ano, segundo o estudo.

“As estatísticas mostram a importância crescente das atividades online. Também destacam a necessidade dos países, sobretudo dos países em desenvolvimento, de dispor destas informações enquanto reconstroem suas economias após a pandemia de covid-19”, destacou Shamika Sirimanne, diretora de tecnologia e logística da UNCTAD.

Mas os dados relativos às 13 principais empresas do comércio pela internet – 10 delas da China e dos Estados Unidos – apontam que a pandemia provocou “uma mudança considerável da situação para as plataformas que oferecem serviços como o compartilhamento de carros e viagens”, constatou a agência da ONU.

As empresas que operam nestes setores registraram uma forte queda do volume bruto das mercadorias, com um retrocesso correspondente no ranking mundial de empresas B2C.

Por exemplo, a Expedia passou de 5º em 2019 para 11º em 2020; Booking Holdings, do 6º para 12º e Airbnb, que abriu o capital em 2020, de 11º a 13º lugar.

Os quatro primeiros lugares no ranking permanecem os mesmos do ano anterior: Alibaba, Amazon, JD.com e Pinduoduo, nesta ordem.

Apesar da redução do volume bruto de mercadorias (VGM) das empresas de serviços, o VGM total das 13 primeiras empresas de comércio eletrônico B2C cresceu 20,5% em 2020, mais que em 2019 (17,9%). Os lucros foram especialmente importantes no caso do Shopify e do Walmart, segundo a UNCTAD.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel