Artigos

Covid-19 afeta romance em Paris, a capital do amor

Crédito: AFP/Arquivos

Casal em frente à Torre Eiffel, em Paris (Crédito: AFP/Arquivos)

Com as casas de show fechadas e os rostos cobertos por máscaras, flertar na capital do amor se tornou um grande desafio. Mas, seja através das telas, ou simplesmente de um olhar, os jovens parisienses adaptaram seu modo de seduzir em tempos de coronavírus.

Yotam, Maud, Flore, Julie, ou Yannis: todos têm entre 20 e 30 anos e estimam que as máscaras são um obstáculo na hora de flertar.

‘Resistir à chantagem’: França se pronuncia contra boicote no mundo muçulmano

Europa tenta ‘salvar o Natal’, cada vez mais fechada pela segunda onda de covid-19

“Somos jovens, obviamente queremos conhecer gente, seduzir, gostar e, com certeza, a máscara é um incômodo”, disse Yotam à AFP, sentado na praça da renomada Universidade de Sorbonne.

Para este estudante de história, “as expressões do rosto são muito importantes. O sorriso, a risada… não poder ver tudo isso torna a arte da sedução mais complicada”.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

Já Maud está convencida de que o olhar “se tornará o elemento primordial, através do qual tudo passará: as emoções, os sentimentos”.

“Será nisso que nos concentraremos agora: vamos observar os olhos e sua beleza”, completou.

Sélim Niederhoffer, coach de sedução, confirma que “uma boa parte da comunicação ocorre através do rosto”.

Mas o olhar não é a única ferramenta de sedução.

“Vamos prestar mais atenção na forma como nos vestimos, na roupa, no corte de cabelo, no olhar, um monte de coisas. É verdade que agora nos concentramos em outras coisas e não só no rosto”, estimou Julie, uma padeira de 28 anos, que ficou solteira há pouco tempo.

– “Usar a imaginação” –

Para que isso aconteça, porém, é preciso ter oportunidades para conhecer pessoas novas. Com muitos franceses no trabalho remoto e mais da metade do país em toque de recolher a partir das 21h, há cada vez menos lugares propícios para os encontros.

Como resultado disso, as redes sociais e os aplicativos de relacionamento representam uma nova alternativa para aqueles que buscam o amor.

Sentada no terraço de uma cafeteria com um grupo de amigos, Flore, uma vendedora de vinhos de 20 anos, confirma que os encontros agora ocorrem “muito nas redes”, mas, segundo ela, é preciso saber “usar a imaginação”.

Para o autor do livro “Lições da sedução: 375 segredos para seduzir todas elas” (em tradução livre), porém, buscar o amor durante essa pandemia tem uma vantagem: “agora nos concentramos mais na parte mental, nos valores, nos desejos (…) e isso é o que faz com que as relações durem”.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel