Finanças

Corrida para o IPO da Smart Fit

Perspectivas de crescimento da rede de academias superaram preocupações dos minoritários.

Crédito: Divulgação

As ações da Smart Fit dispararam quase 35% na quarta-feira (14) na sua estreia na B3. A oferta inicial de ações (IPO na sigla em inglês) foi um sucesso. A rede de academias de ginástica acertou ao estabelecer um preço de R$ 23 por ação, e levantou R$ 2,6 bilhões. Com isso, alcançou um valor de mercado um pouco acima dos R$ 18,2 bilhões. A oferta contou com três investidores âncoras importantes no mercado financeiro global: Dynamo (respeitada gestora de ações no Brasil), GIC (Fundo Soberano de Singapura) e CPP (Fundo Soberano do Canadá), se comprometendo a ficar com R$ 750 milhões.

Segundo analistas, os investidores foram atraídos pela perspectiva de crescimento da Smart Fit. A rede possui 928 academias, 102 a mais do que no fim de 2019. Destas, 509 estão no Brasil e o restante espalhado por países como México, Colômbia, Chile e Peru. A maioria usa a marca Smart Fit, mas 32 unidades usam as bandeiras Bio Ritmo e O2. A rede de academias é controlada por acionistas que incluem o private equity Pátria Investimentos e a família Corona. O lançamento não ocorreu sem incidentes. Os resultados da rede no ano passado foram afetados pela pandemia, e pelas controvérsias associadas ao fundador da companhia, o empresário Edgard Corona. Ele vem sendo investigado em inquérito sobre fake news contra o Supremo Tribunal Federal (STF). A companhia também é alvo de ações judiciais movidas por sócios minoritários no Distrito Federal. Também causou desconforto o fato de parte dos recursos do IPO ser destinada à compra de uma empresa controlada por sócios da própria Smart Fit.

Divulgação

“Decisão da Justiça mostra que não haverá ativismo judicial na esfera da empresa privada” Helder Fonseca advogado.

JUSTIÇA Segundo o sócio do escritório de advocacia Guimarães Vieira de Mello advogados, Helder Fonseca, a tramitação do processo dos minoritários contra a Smart Fit mostra um amadurecimento do judiciário na avaliação dessas questões.
O escritório não está envolvido no caso, mas representa muitos acionistas minoritários com demandas semelhantes. “Ao indeferir o pleito dos minoritários da empresa, o Judiciário mostrou que não pode interferir na livre concorrência e na livre iniciativa”, disse Fonseca. “Isso é uma mensagem importante, que mostra que não deverá haver ativismo judicial na esfera da empresa privada.”