Edição nº 1040 12.10 Ver ediçõs anteriores

“Corremos o risco de ter, mais uma vez, um voo de galinha”

“Corremos o risco de ter, mais uma vez, um voo de galinha”

A baixa produtividade da indústria brasileira é, na avaliação de José Velloso Dias Cardoso, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), a maior barreira para o crescimento sustentável da economia brasileira. Segundo ele, a ausência de políticas de estímulo ao investimento poderá condenar a recuperação da economia a um “voo de galinha”. Acompanhe, a seguir, sua entrevista à coluna:

Por que a produtividade brasileira é menor do que a grande maioria dos países industrializados ou em desenvolvimento?
A afirmação de que o trabalhador brasileiro é menos produtivo do que a média mundial está distorcida. O problema não está apenas na questão da qualificação ou jornada dos brasileiros. A questão envolve a baixíssima taxa de investimento da indústria. Os estudos mais recentes mostram que o americano é quatro vezes mais produtivo do que o brasileiro. Mas essa constatação não leva em conta que a indústria dos Estados Unidos investe em sua produção US$ 300, em média, para cada trabalhador, por ano. No Brasil, esse investimento é de US$ 60. Ou seja, o americano é mais produtivo porque tem maquinário e tecnologias mais avançadas para aumentar sua produtividade.

Por que o investimento é tão baixo no Brasil?
Por diversos fatores. Um deles é a Selic alta. No histórico dos últimos governos, com a taxa de juros entre 15% e 20%, ninguém investe. Se deixar o dinheiro parado no banco o retorno é alto e garantido. Em vez de investir, é melhor comprar títulos do Tesouro. Então, para estimular o investimento é preciso rever os critérios de definição da Selic.

Mas a Selic está caindo…
Está porque a inflação despencou. Os juros reais, a diferença entre a inflação e a Selic, continua como a mais alta do mundo. Isso desencoraja investimentos e condena o País a ter um atraso tecnológico inalcançável com os outros países. Neste ano, devemos ter uma taxa de investimento de apenas 15% do PIB. A média mundial está acima de 25%. O não investimento de hoje é o não crescimento de amanhã. Corremos o risco de ter, mais uma vez, um voo de galinha.

(Nota publicada na Edição 1040 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Hugo Cilo e Luís Artur Nogueira)

Mais posts

O cofre do Renova BR

O Renova BR, fundo criado pelo executivo Eduardo Mufarej, CEO da Somos Educação e sócio da gestora Tarpon, com o objetivo de [...]

Frase da semana: Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES

“O BNDES não é babá de empresário” Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES (Nota publicada na Edição 1040 da Revista Dinheiro, com [...]

Varejo em alta

A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) vai anunciar nos próximos dias a elevação da sua projeção de crescimento para o setor, em nível nacional, de 0,4% para 1,4% neste ano. A estimativa se refere ao varejo restrito, que não inclui automóveis e material de construção. O resultado ainda não recupera o tombo de 6,2% […]

Caixa mais gordo

O contrato que a Sapore, uma das maiores empresas de alimentação do País, fechou com a empresa de eventos Time For Fun para abastecer [...]

O primeiro bilhão a gente nunca esquece

No início do ano, a farmacêutica Cimed, uma das maiores do País, traçou como meta alcançar o seu primeiro bilhão de reais de [...]
Ver mais