Mundo

Contra coronavírus, Trump anuncia emergência nacional nos EUA

Crédito: Reprodução/YouTube

Trump, que demonstrava tranquilidade sobre coronavírus, resolveu tomar medidas de contenção nos EUA (Crédito: Reprodução/YouTube)


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou na tarde desta sexta-feira (13) emergência nacional por causa do coronavírus.

Trump também liberou a Lei Stafford, que permite mais ajuda federal aos estados e municípios. Segundo o presidente norte-americano, a medida dá acesso a até US$ 50 bilhões para cuidar da pandemia.

+ Saúde informa que RJ e SP registraram transmissão comunitária do novo coronavírus
+ Trump esteve cercado de infectados pelo coronavírus

Segundo a CNN, ao declarar emergência nacional, Trump terá acesso a poderes ampliados, enquanto que ao invocar a Lei Stafford, consegue liberação para o dinheiro necessário no combate ao vírus.

No anúncio, Trump afirmou que laboratórios privados ajudarão no combate e poderão fazer até cinco milhões de testes em todo o país.

Serão adotados também espaços abertos, que servirão como “drive thrus” onde as pessoas são submetidas a testes rápidos sem sair do carro.

A medida foi adotada na Coreia do Sul, segundo país mais afetado na Ásia até o mês passado, e ajudou o governo a segurar o contagio.

“Não queremos que as pessoas façam um teste se acharmos que não deveriam fazê-lo. E não queremos que todos saiam e tomem, apenas se você tiver certos sintomas”, alertou o presidente dos Estados Unidos. “Nós vamos derrotar essa ameaça”, arrematou.

Na última quarta-feira (11), a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou o surto como pandemia e até o momento mais de 136 mil pessoas já foram infectadas, sendo mais de 5 mil mortes.

Pelo menos 1.663 pessoas em 46 estados e Washington DC teriam testado positivo para o coronavírus. Pelo menos 41 pessoas já morreram.

Trump declarou que é preciso aprender com outros países que enfrentam casos de infecção em larga escala.

“Estamos em contato com a Itália, um país que amamos. Estamos trabalhando com eles. Relativamente é o país que está na pior posição. Mas a Itália tomou o remédio necessário e eles verão resultados”, afirmou.

“Estamos em contato com todo mundo, muitos dos países sobre os quais vocês escrevem, eles nos pedem conselhos”, ponderou.

O presidente dos Estados Unidos anunciou também que o governo vai renunciar a todos os empréstimos mantidos por agências federais. A medida serve como forma de conter as finanças de estudantes que estão voltando para casa em meio ao surto.

Trump disse que instruiu o secretário de Energia a “comprar grandes quantidades de petróleo bruto para as reservas estratégicas dos EUA”. Ele indicou que a administração vai aproveitar a baixa nos preços, em meio a uma guerra tarifária envolvendo Rússia e Arábia Saudita, e preencher as reservas.

“É um bom momento”, comentou o presidente.

Trump, que passou os últimos dias rodeado de pessoas infectadas pelo coronavírus, começou a demonstrar preocupação com a doença. Ainda ontem ele havia dito que não se preocupava por ter tido contato com a comitiva brasileira que visitou os EUA na semana passada.

Chefe da secretaria de Governo, Fabio Wajngarten foi diagnosticado com o coronavírus ontem e esteve com Trump em diversos momentos de um jantar na Flórida.

Sobre o caso Trump foi direto. “Tive um ótimo encontro com o presidente do Brasil [na semana passada], Bolsonaro, um ótimo cara, [que está] fazendo um trabalho fantástico pelo Brasil. Ele testou negativo”, concluiu.

 

View this post on Instagram

 

“Make Brazil Great Again” @realdonaldtrump @mikepence @alvarogarnero 🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇺🇸🇺🇸🇺🇸

A post shared by Fabio Wajngarten (@fabiowajngarten) on

A filha de Trump, Ivanka, também se reuniu com um ministro do governo australiano, Pete Dutton, diagnosticado com a covid-19.