Economia

Contas poderão ser pagas pelo Pix em novembro, diz Banco Central

Crédito: Arquivo Agência Brasil

Pix: a projeção é que, no médio prazo, o sistema de pagamento eletrônico do BC seja obrigatoriamente ofertado como opção para pagamento das faturas (Crédito: Arquivo Agência Brasil)

O Banco Central anunciou que algumas contas como a de água, luz e telefone já poderão ser pagas pelo Pix em novembro, durante o lançamento do sistema (dia 16). A projeção é que, no médio prazo, o Pix seja obrigatoriamente ofertado como opção para pagamento das faturas.

“Já temos a informação de que algumas distribuidoras de água e energia entrarão no Pix já em novembro, quando ele for lançado, assim como as empresas da parte de telefonia, que vão ofertar o novo sistema tanto para o pagamento de faturas como para a recarga de celulares pré-pagos”, afirma o chefe de subunidade no departamento de competição e de estrutura do mercado financeiro do BC, Breno Lobo, em evento promovido nesta segunda-feira (26), e divulgado pela Folha de S. Paulo.

+ Clientes poderão realizar transferências e pagamentos direto da corretora via Pix 
+ Itaú Unibanco: Empresas clientes terão 3 meses de isenção em transações via Pix

Impostos pelo Pix



O executivo do BC afirmou ainda que o pagamento de impostos para a União também já poderá ser feito em novembro. “As guias de recolhimento da União [GRUs, como são chamadas] já começam em novembro, mas o Tesouro Nacional ainda terá um cronograma até que o pagamento possa ser 100% realizado por meio do Pix. Estamos em conversas avançadas com a Receita Federal e com as Fazendas dos estados para também inserirmos esses pagamentos de impostos pelo Pix gradativamente”, disse Lobo.

Funções previstas para 2021

O Banco Central prevê que no primeiro semestre de 2021 será possível fazer saques no varejo por meio do Pix, pagamentos por aproximação e o uso de Pix no exterior.

Compras parceladas

“Também teremos o Pix garantido, que simula um parcelado lojista [parcelado sem juros] que temos hoje e que vai ajudar na realização de compras parceladas principalmente para a camada da população que ainda não tem acesso ao cartão de crédito”, afirma Lobo.

Pagador offline

“Além disso, também teremos o QR Code gerado pelo pagador offline, que atende a camada de população mais baixa que tem dificuldade no acesso ao pacote de dados de internet; o Pix por aproximação, que pode trazer benefícios para o transporte público e grandes eventos; e o Pix cross border [comércio transfronteiriço], que deve vir mais no médio e longo prazo”, ressalta o executivo.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago