Agronegócio

Consumo de carne bovina em 2021 foi o menor em 25 anos

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

Consumo de carne bovina despenca desde o início da pandemia (Crédito: Arquivo/Agência Brasil )

Os preços altos dos produtos alimentícios têm causado impacto no bolso dos brasileiros que reduzem o consumo de vários itens. Entre os alimentos que tiveram o consumo reduzido desde o início da pandemia está a carne bovina.



Dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) mostram que o consumo chegou a 26,5 quilos por habitante em 2021, menor volume em 25 anos. O recuo chega a 40% na comparação com 2006, quando houve um pico de 42,8 quilos por habitante.

+ Tendências tecnológicas para 2022: carne vegetal, Web 3.0, batalha das ‘Big Tech’

No ano passado, também foi verificada uma queda no consumo médio da proteína, com 29,3 quilos por habitante, conforme o Valor Econômico.

“Seguiremos com aumentos nos preços dos insumos, dos animais de reposição e uma menor disponibilidade de animais. O produtor rural conviverá com o alto custo dos fertilizantes, o que impactará o custo de produção do milho e da soja, afetando o preço da ração para suplementação. Em 2021, houve um aumento de mais de 100% nos custos com fertilizantes e defensivos para culturas como milho e soja”, considera o Centro de Inteligência da Carne Bovina (CiCarne), da Embrapa, no relatório Perspectivas para a Pecuária de Corte em 2022.

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!



“O custo com animais de reposição, em virtude da tendência de alta no ciclo pecuário, também deverá impactar o custo final da terminação. As margens devem continuar apertadas em 2022. Faltarão vacas para abate e abastecimento do mercado interno e as indústrias buscarão bois, que estarão com a demanda aquecida no mercado externo e com a arroba valorizada.”