Giro

Consultas para eleger novo primeiro-ministro têm inícioi no Líbano

O presidente libanês Michel Aun iniciou as consultas parlamentares nesta quinta-feira, depois de adiadas várias vezes, para eleger o novo chefe de Governo e substituir Saad Hariri, que renunciou em outubro sob pressão dos manifestantes e na quarta-feira desistiu a sua própria sucessão.

Hassan Diab, vice-presidente da Universidade Americana de Beirute (AUB) e ex-ministro da Educação (2011-2014), é apresentado como favorito para suceder Hariri, após semanas de hesitação.

Nesta quinta-feira, recebeu o apoio do poderoso movimento xiita do Hezbollah, que tem maioria no Parlamento ao lado de seus aliados, mas sua candidatura foi rejeitada pelo principal bloco parlamentar sunita.

À beira do colapso econômico, o Líbano vive desde 17 de outubro o ritmo de uma revolta popular inédita contra toda a classe dominante, acusada de corrupção e incompetência.

Depois de conseguir a renúncia de Hariri e de seu governo em 29 de outubro, o movimento exige a formação de um gabinete livre, de tecnocratas e independente da classe política no poder desde o fim da guerra civil (1975-1990).

Após vários relatórios, o presidente Aun finalmente lançou nesta quinta-feira as consultas parlamentares do Palácio Baabda previstas pela Constituição, que começaram com uma entrevista com Saad Hariri.

Na quarta-feira à noite, Hariri renunciou à liderança do futuro governo.

“Eu lutei para responder aos pedidos [dos manifestantes libaneses] de um governo de especialistas, que considero a única solução para responder à crise econômica e social pela qual nosso país está passando”, afirmou Hariri.

O atual primeiro-ministro tornou-se o defensor de uma reforma econômica. Os manifestantes o rotulam como produto da política herdada no Líbano.

O sistema político desse país multiconfessional é projetado para garantir um equilíbrio entre as diferentes comunidades religiosas, com um primeiro-ministro sunita apoiado em princípio pelos principais líderes de sua comunidade.

Vários dirigentes, no entanto, como Hariri e seu movimento Corrente do Futuro, ainda não apoiaram Diab. No entanto, de acordo com Imad Slamey, pesquisador em Ciências Políticas da Universidade libanesa americana (LAU), “se Diab for nomeado primeiro-ministro, o próximo governo será dominado pelo Hezbollah (e seus aliados), sem cobertura política para Hariri e os sunitas”.

Uma situação, diz ele à AFP, que “causaria um cisma sunita-xiita no Líbano e afogaria a revolução em discursos confessionais”.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?