Giro

Confrontos entre polícia libanesa e simpatizantes do Hezbollah

Confrontos entre polícia libanesa e simpatizantes do Hezbollah

Polícia libanesa é atacada com fogos de artifício durante confronto com simpatizantes do Hezbollah, em 14 de dezembro de 2019 - AFP

Dezenas de jovens simpatizantes do Hezbollah entraram em confronto com a polícia na capital do país, Beirute, neste sábado, quando tentavam se aproximar do local onde estão acampados os manifestantes contrários ao governo.

Após serem atacados com pedras e fogos de artifício, os policiais usaram gás lacrimogêneo para dispersar o grupo.

Além de Beirute, manifestações de apoio ao governo foram registrados em outras cidades do Líbano nas últimas semanas, o que levou o líder do movimento xiita Hezbollah a pedir tranquilidade a seus simpatizantes.

O grupo reunido na capital libanesa queria ir até a Praça dos Mártires, considerado uma área do Hezbollah e do partido Amal.

Na noite deste sábado, eclodiram confrontos na entrada de uma avenida que vai para o Parlamento e que estava bloqueada pelas forças de segurança.

Os confrontos continuaram na Praça dos Mártires e em outro setor do centro da capital, segundo um fotógrafo da AFP, que testemunhou o lançamento de pedras por manifestantes e tiros de balas de borracha pelas forças de segurança.

A Cruz Vermelha Libanesa informou no Twitter que transferiu dez feridos para hospitais e socorreu outras 33 pessoas no local. A defesa civil libanesa afirmou que também havia transferido dez pessoas para o hospital.

As grandes manifestações que ocorreram no Líbano para denunciar a corrupção da classe política geralmente se desenvolveram de forma tranquila. Mas, nas últimas semanas, incidentes violentos se multiplicaram.

Em várias ocasiões, os partidários do Hezbollah e Amal atacaram concentrações do anti-regime, em Beirute, Tiro ou Baalbek, grandes bastiões dos partidos xiitas no sul e leste do país.

O líder do Hezbollah, Hasan Nasralah, pediu nesta semana a seus apoiadores “controle” e “paciência”.