Economia

Comprar está melhor do que alugar um imóvel

Crédito: Divulgação

É imprescindível fazer contas na hora de optar pelo aluguel ou por comprar um imóvel (Crédito: Divulgação)

Comprar ou alugar um imóvel é um dilema clássico. Mas como decidir? A resposta está na calculadora. É preciso considerar quanto renderia o montante que será usado na compra e comparar com o valor de locação de um imóvel correspondente. Por muito tempo, a balança pendeu para o aluguel. Com a queda dos juros, a situação se inverteu. “Antigamente, o retorno da renda fixa era superior à taxa de aluguel, de cerca de 0,5% do valor do imóvel”, afirma Miguel Oliveira, diretor executivo da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac). “Hoje, o rendimento líquido da renda fixa está abaixo de 0,30% ao mês. Alugar não compensa.”

Outra razão que favorece a compra é que, com a crise econômica, muitas famílias e empresas estão colocando imóveis à venda, o que provoca a queda dos preços. Isso traz boas oportunidades para quem aguarda o momento de comprar a casa própria, sobretudo se puder pagar à vista e tiver disposição para negociar. Se for preciso financiar, porém, o consumidor terá dificuldades na aprovação de crédito.

+ Produção de veículos em março tem o menor volume em 16 anos, revela Anfavea
+ IGP-DI tem inflação de 1,64% em março

Investimento. Os preços mais baixos também podem trazer bons negócios ao investidor que tem um caixa disponível e pode fazer a compra sem comprometer a liquidez da carteira. “Em três anos, com a futura recuperação da economia, ele poderá revender o imóvel pelo preço de mercado e obter um retorno que a renda fixa jamais daria a ele no período”, afirma Ricardo Rocha, professor de finanças do Insper.

Para quem não tem tanto dinheiro guardado, porém, o imóvel é um investimento temerário. Com a crise, o comprador corre o risco de não encontrar um locatário, ou até ter um inquilino inadimplente. “Se não conseguir alugar, ele terá de pagar condomínio e IPTU e ainda ficará sem receita”, diz Oliveira. “A renda fixa paga pouco, mas paga.”

Qualquer que seja a finalidade do imóvel, a decisão de compra só deve ser considerada se não for comprometer as reservas financeiras. Como o alcance da pandemia do coronavírus é incerto, mesmo quem se sente seguro no próprio emprego pode ter uma surpresa ruim, caso a crise se agrave. “Com o coronavírus, o risco de fazer uma transação imobiliária se amplia, para cima ou para baixo. Você pode fazer um negócio ótimo ou terrível: só o tempo dirá”, diz Jaques Cohen, planejador financeiro da Planejar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?