Economia

Companhias aéreas europeias são afetadas por novo coronavírus

Companhias aéreas europeias são afetadas por novo coronavírus

Passageiros no aeroporto internacional de Johannesburgo - AFP

A desaceleração da demanda causada pela propagação da epidemia do novo coronavírus está levando muitas companhias aéreas europeias a reduzir horários de voo e aplicar medidas de economia.

Um mês depois da suspensão de grande parte dos voos de longa distância com destino à China continental, onde a epidemia se originou, preocupa o número de casos registrados no norte da Itália (655 pessoas afetadas pelo COVID-19 nesta sexta-feira) e o restante da Europa.

Assim, a companhia aérea britânica EasyJet anunciou que já está cancelando voos e planeja anular cerca de 500 entre 13 e 31 de março, a maioria tendo a Itália como origem e destino.

“Estes aproximadamente 500 voos representam 11% do volume de voos para e da Itália para o mês de março e um pequeno percentual” do número de voos totais da companhia, informou um porta-voz do grupo à AFP.

Também o International Airlines Group, proprietário, entre outras, de Iberia e British Airways, anunciou ter cancelado seus voos a Milão e reduzirá seus serviços à Itália nos próximos dias.

A British Airways opera dez voos diários a Milão a partir de Londres.

A Air France, por sua vez, está fazendo um “sutil ajuste no horário” de alguns voos para Milão, Bolonha e Veneza “reagrupados”, disse um representante da companhia à AFP.

Um dos cinco voos diários entre Paris e Veneza, por exemplo, foi cancelado e os passageiros foram transferidos a outros aviões. No entanto, “não há nenhuma outra decisão” para além deste fim de semana, informou a fonte.

A Brussels Airlines, por sua vez, reduzirá em 30% seus voos a Milão, Roma, Veneza e Bolonha nas próximas duas semanas (2-14 de março). A companhia aérea belga “observa uma tendência geral negativa nas reservas em quase todos os mercados europeus, mas o norte da Itália é o mais afetado”, segundo um comunicado.

E a companhia húngara de baixo custo Wizz Air, que tem uma forte presença na Polônia, está reduzindo em cerca de 60% seus voos para a Itália a partir de Varsóvia e outras cinco cidades polonesas “em vista da diminuição do interesse para este destino”.

– Risco da temporada de verão –

O impacto da epidemia no tráfego aéreo europeu está levando as companhias aéreas, cujas ações foram duramente afetadas nos mercados financeiros, a aplicar medidas de redução de custos.

Assim, nesta sexta, a Easyjet anunciou o congelamento das contratações, dos salários e das promoções, uma redução dos gastos administrativos e uma “oferta de dispensas não remuneradas” a seus funcionários.

O diretor-geral da IAG, Willie Walsh, também anunciou medidas de economia que não detalhou e parou de emitir prognósticos dos resultados financeiros para 2020 por causa da epidemia.

A direção da Finnair Topi Manner advertiu, por sua vez, que o resultado operacional da companhia em 2020 será “significativamente menor” do que o do ano anterior. Embora neste momento o impacto seja “limitado”, “vemos um efeito negativo na demanda”, admitiu em um comunicado.

“É difícil prever como a situação se desenvolverá nos próximos meses”, ressaltou.

Ao destacar o impacto “muito significativo” da epidemia nas receitas da KLM, o diretor financeiro da companhia holandesa, Erik Swelheim, pediu a seus funcionários que “reduzam os custos ao mínimo para garantir a segurança das operações” e anunciou uma série de medidas de economia em uma carta à qual a AFP teve acesso.

O outro pilar do grupo, a Air France, fez o mesmo. A Air France-KLM estimou a perda de receitas com a suspensão dos voos para a China de fevereiro a abril entre 150 e 200 milhões de euros.

A alemã Lufthansa também anunciou nesta quarta-feira um congelamento nas contratações e propostas de licenças não remuneradas para seus funcionários.

Agora há o risco de o coronavírus ameaçar a crucial temporada de verão, quando as companhias aéreas na Europa lotam seus aviões com veranistas em busca do sol.

“A temporada de verão na Europa poderia desaparecer se a situação se deteriorar na Itália e vemos, por exemplo, um aumento dos casos na França. Já estamos vendo que as empresas estão restringindo as viagens de negócios para proteger seus funcionários”, afirma Neil Wilson, analista da Markets.com.

burs-jbo-mra-acc/af/mvv

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança