Economia

Companhias aéreas criticam restrições ‘caóticas’ e confusão que dificultam a recuperação

Companhias aéreas criticam restrições ‘caóticas’ e confusão que dificultam a recuperação

As companhias aéreas europeias exigem uma melhor coordenação entre os Estados após dois meses de uma retomada dos voos ainda muito reduzida devido ao coronavírus - AFP/Arquivos

As companhias aéreas europeias exigiram, nesta terça-feira (15), uma melhor coordenação entre os Estados para acabar com as “caóticas” restrições de fronteira e a “confusão” nos procedimentos, após dois meses de um tráfego ainda muito reduzido por conta do coronavírus.

A associação Airlines for Europe (A4E), que reúne as principais companhias europeias, pediu, durante uma videoconferência de imprensa, “testes rápidos e confiáveis” da covid-19 na saída dos voos para evitar uma quarentena na chegada, “que deveria ser uma medida de último recurso”.

A A4E questionou as “caóticas restrições de fronteira” e a “confusão sobre as medidas de quarentena, as diferentes formas de transporte de passageiros e os requisitos de testes” nos diferentes países.

“É preciso urgentemente um programa de testes padronizado se quisermos recuperar a confiança dos passageiros”, opinou Thomas Reynaert, diretor da organização.

O tráfego na Europa melhorou ligeiramente em julho, mas estagnou em agosto, com apenas 30% de passageiros em relação ao mesmo período do ano passado, segundo a organização.

A coordenação entre os Estados deve ser “uma prioridade política” para a União Europeia, disse Benjamin Smith, diretor-geral da Air France-KLM e presidente da A4E.

Ele acrescentou que as medidas contra a covid-19 adotadas “sem nenhuma coordenação nos últimos seis meses tiveram um impacto devastador na liberdade de circulação”.

“A incerteza em relação aos procedimentos aplicados na chegada por parte das autoridades” é um dos freios da recuperação, disse Patrick Ky, diretor-executivo da Agência Europeia de Segurança Aérea (EASA).

“Precisamos de uma abordagem europeia comum”, continuou.

A EASA e o Centro Europeu para a Prevenção e Controle das Doenças (ECDC) divulgaram, em maio, diretrizes de segurança sanitária.

Entre elas estão medidas de distanciamento físico “quando possível” e o uso de máscara em viagens de avião.

Agora “foi demonstrado que as pessoas não devem ter medo de voar, a probabilidade de contrair a doença é muito baixa”, disse Ky na coletiva de imprensa.

Segundo um estudo da EASA na última semana de agosto, dos três milhões de passageiros na Europa, apenas “180 não puderam viajar ou tiveram que desembarcar por sintomas” do coronavírus, ou seja, seis a cada 100.000, explicou.

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?