Giro

Comoção na Nigéria por tiroteio mortal contra manifestantes

Comoção na Nigéria por tiroteio mortal contra manifestantes

Manifestantes em Lagos em 20 de outubro de 2020 após a proclamação do toque de recolher - AFP

O violento tiroteio de terça-feira (20) contra manifestantes na Nigéria provocou uma grande comoção no país: a Anistia Internacional denuncia várias mortes, mas as autoridades reconhecem apenas uma vítima fatal.

O governador do estado de Lagos, Babajide Sanwo-Olu, reconheceu no Twitter que uma pessoa morreu no tiroteio contra manifestantes pacíficos que desafiaram o toque de recolher na terça-feira à noite na cidade, capital econômica da Nigéria.

A ONG Anistia Internacional afirmou que vários manifestantes faleceram no ataque, mas que ainda tenta determinar o número exato.

As mais de 1.000 pessoas que se reuniram na terça-feira no ponto de pedágio de Lekki foram dispersadas com tiros de munição letal, após o anúncio do toque de recolher total para sufocar o movimento de protesto iniciado há quase duas semanas.

“Tenho a responsabilidade sobre este incidente infeliz e vou trabalhar com o governo federal para elucidar o que aconteceu”, escreveu no Twitter o governador.

Sanwo-Olu afirmou ainda que a repressão escapou de seu controle.

Vídeos divulgados nas redes sociais mostram homens vestindo uniformes militares atirando com armas de fogo, mas o exército chamou as imagens de “fake news”.

Tiros foram ouvidos perto do posto de pedágio na terça-feira à noite e na manhã desta quarta-feira. Os bairros comerciais e as lojas da cidade de 20 milhões de habitantes permanecem fechadas.

“Terça-feira sangrenta”, afirmaram os jornais nigerianos esta manhã. Nas redes sociais, manifestantes pedem a renúncia do presidente Muhammadu Buharim, uma campanha que ganhou o apoio de Davido, estrela da música nigeriana.

A polícia mobilizou na terça-feira a unidade antidistúrbios como resposta aos confrontos em várias manifestações.

A indignação tomou conta do país e atravessou fronteiras.

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu ao presidente Buhari e aos militares que “interrompam a violenta repressão que custou a vida de vários manifestantes”.

“Os Estados Unidos têm que ficar ao lado dos nigerianos que se manifestam pacificamente pela reforma da polícia e o fim da corrupção em sua democracia”, completou em uma mensagem sem seu site.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu o fim do que chamou de “brutalidade” da polícia na Nigéria. O chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, condenou a sangrenta repressão contra os manifestantes que desafiaram o toque de recolher em Lagos.

“Não suporto ver a tortura e a brutalidade que ainda existem em nossos países”, escreveu no Twitter a cantora Rihanna.

A mobilização inédita na Nigéria começou no início do mês nas redes sociais como denúncia da violência policial e, aos poucos, se tornou um protesto contra o governo.

Desde o início dos protestos, pelo menos 18 pessoas, incluindo dois policiais, morreram nas manifestações.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?