Giro

Como sabemos de onde veem os meteoritos?

Crédito: Reprodução/NASA

Para determinar a origem de um meteorito, os pesquisadores começam seu estudo identificando o tipo de rocha e datando o meteorito. (Crédito: Reprodução/NASA)


Os meteoritos são pedaços sólidos de detritos espaciais naturais que não se desintegram completamente durante sua descida pela atmosfera. As evidências e pesquisas disponíveis sugerem que a maioria dos meteoritos parecem ser fragmentos de asteroides em órbitas solares entre Marte e Júpiter, mas alguns meteoritos também se originam de Marte e da Lua.

Para determinar a origem de um meteorito, os pesquisadores começam seu estudo identificando o tipo de rocha e datando o meteorito. Em seguida, os cientistas passam por um processo de eliminação para determinar de onde o meteorito não poderia ter vindo.

+ Nasa desviará asteroide em missão de ‘defesa planetária’

Durante a descida do meteorito pela atmosfera terrestre, a camada superficial derretida se solidifica em uma fina crosta negra, lisa e às vezes brilhante, denominada “crosta de fusão”. Essa crosta é preta se o meteorito for coletado logo após sua queda, mas pode ficar marrom ou mesmo desaparecer devido ao desgaste com o tempo.



Desde 1969, temos obtido muitas informações detalhadas sobre a Lua a partir de rochas trazidas à Terra por missões espaciais. Até agora, são conhecidos cento e três meteoritos da Lua, portanto os cientistas são capazes de reconhecer mais facilmente os meteoritos lunares.

Para confirmar ou refutar a hipótese de uma origem marciana, os cientistas realizam análises sobre a composição química do meteorito.

Quando um asteroide ou cometa colide com outro corpo, como um planeta, os fragmentos fraturados do corpo impactado podem ser ejetados em condições favoráveis. Às vezes, esses fragmentos são aquecidos de modo que as rochas derretem parcialmente e prendem os gases da atmosfera do corpo.


Cientistas descobriram que a abundância de isótopos raros (néon, argônio, xenônio, criptônio) presos no meteorito EETA 79001 era exatamente a mesma que a composição de Atmosfera de Marte. Esta correlação substancial sugere que os meteoritos têm uma grande probabilidade de serem de Marte.

A maioria dos meteoritos encontrados na Terra parecem ser fragmentos do cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter e outros se originam da Lua e Marte. No entanto, outra origem é possível.

No início de 2012, uma rocha extraterrestre foi encontrada no deserto marroquino, os 35 fragmentos tinham um intenso coração verde e a crosta muito brilhante. Uma pesquisa descobriu uma quantidade substancial de silicatos de magnésio, alumínio e cálcio, mas uma concentração muito baixa de ferro. Esta composição química se assemelha muito às observações da crosta de Mercúrio.

Se essa hipótese fosse confirmada, o NWA 7325 seria o primeiro meteorito a vir de Mercúrio já identificado na Terra. Para confirmar ou refutar uma origem mercuriana, o estudo requer uma comparação com as rochas de Mercúrio.