Edição nº 1088 21.09 Ver ediçõs anteriores

Como Gatsby

Talvez não exista um milionário da ficção com tanto charme quanto Jay Gatsby, o protagonista criado pelo escritor americano F. Scott Fitzgerald em O Grande Gatsby. Reproduzir na vida real o estilo de vida e a presença misteriosa do personagem, vivido no cinema por Robert Redford e Leonardo DiCaprio, é bastante difícil. Mas não deve existir oportunidade melhor para começar do que comprar a mansão que inspirou a de Gatsby no livro. Localizada no endereço 235 Middle Neck Road, em Sands Point, Nova York, a propriedade foi adquirida em 1923 por Mary Harriman Rumsey, filha do magnata das ferrovias EH Harriman, e agora está à venda por US$ 16,9 milhões. Rumsey e Fitzgerald eram amigos, e ele passou um período na casa. O desenho em estilo da Normandia foi feito pelo histórico escritório de arquitetura McKim, Mead and White, responsável também pelas alas leste e oeste da Casa Branca, pelo Brooklyn Museum e pela Pennsylvania Station, ambos em Nova York.

(Nota publicada na Edição 1034 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A voz do camaleão do rock

O cantor e compositor inglês David Bowie (1947-2016) foi um dos músicos mais influentes da história do rock, especialmente por sua [...]

O sabor do café personalizado

A Gaggenau, fabricante alemã de eletrodomésticos, trouxe para o Brasil a Home-Barista, uma máquina de café que monitora automaticamente [...]

Lamborghini do mar

A brasileira Intermarine lançou o Intermarine 58 offshore. Com capacidade para transportar 14 pessoas, a lancha tem 57,75 pés de [...]

Design inteligente

A Apple se juntou à grife francesa Hermès para produzir o novo Apple Watch Series 4. O smartwatch vem com uma pulseira de couro [...]

Joias históricas

A joalheria italiana Bulgari está expondo suas peças históricas, como um colar usado pela atriz Elizabeth Taylor (1932-2011). A peça [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.