Edição nº 1075 22.06 Ver ediçõs anteriores

Como Gatsby

Talvez não exista um milionário da ficção com tanto charme quanto Jay Gatsby, o protagonista criado pelo escritor americano F. Scott Fitzgerald em O Grande Gatsby. Reproduzir na vida real o estilo de vida e a presença misteriosa do personagem, vivido no cinema por Robert Redford e Leonardo DiCaprio, é bastante difícil. Mas não deve existir oportunidade melhor para começar do que comprar a mansão que inspirou a de Gatsby no livro. Localizada no endereço 235 Middle Neck Road, em Sands Point, Nova York, a propriedade foi adquirida em 1923 por Mary Harriman Rumsey, filha do magnata das ferrovias EH Harriman, e agora está à venda por US$ 16,9 milhões. Rumsey e Fitzgerald eram amigos, e ele passou um período na casa. O desenho em estilo da Normandia foi feito pelo histórico escritório de arquitetura McKim, Mead and White, responsável também pelas alas leste e oeste da Casa Branca, pelo Brooklyn Museum e pela Pennsylvania Station, ambos em Nova York.

(Nota publicada na Edição 1034 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O duplex de Tommy

O estilista americano Tommy Hilfiger, fundador da marca de roupas que leva seu nome, colocou seu duplex em Nova York à venda. [...]

O sabor do pós-guerra

A destilaria escocesa The Macallan vai engarrafar um uísque que passou 72 anos em processo de envelhecimento. Essa é a bebida mais [...]

A herança da dinastia Qing

Um vaso de porcelana foi vendido por € 16,2 milhões, mais de 16 vezes o valor mínimo estabelecido pela casa de leilões Sotheby’s. O [...]

As cadeiras da Calvin Klein

A Calvin Klein lançou, em parceria com a italiana Cassina, uma linha de poltronas. O modelo Feltri, que remete a um trono real, foi [...]

Um tempo para as mulheres

A relojoaria suíça Richard Mille lançou uma coleção exclusiva para as mulheres. Foram produzidas apenas 10 unidades do RM 71-01 [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.