Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

Como está a Oi, um ano depois de sua recuperação judicial?

Como está a Oi, um ano depois de sua recuperação judicial?

Um ano após entrar em recuperação judicial, em 20 de junho de 2016, a empresa de telefonia Oi ainda não chegou a um acordo com seus milhares de credores.

Neste período turbulento, a companhia sofreu ameaça de intervenção federal e protagonizou briga entre os acionistas controladores e os seus credores.

Mas independentemente desse impasse, a operadora, que tem dívidas de R$ 65,4 bilhões, conseguiu tocar a sua vida e melhorou alguns índices operacionais.

A companhia atualmente tem em caixa R$ 7,7 bilhões. Quando entrou em recuperação judicial, o dinheiro que sobrava em seus cofres somava R$ 5,1 bilhões, insuficiente para manter a operação e pagar as dívidas.

Mas a companhia começou a queimar caixa, mesmo em recuperação judicial, neste ano. No fim de 2016, a Oi tinha R$ 7,8 bilhões. Em abril deste ano, dado mais recente, a geração operacional líquida de caixa negativa de R$ 231 milhões.

Vale a ressalva que o aumento no caixa da operadora de telefonia só foi possível por conta da recuperação judicial. Pela lei, a Oi não está pagando os credores, o que lhe dá um tremendo alívio de curto prazo.

No primeiro trimestre de 2017, o prejuízo foi de R$ 200,1 milhões. Não dá para comemorar um dado que ainda tinge o balanço de vermelho. Mas ele é bem inferior ao resultado do mesmo período do ano passado, quando a operadora perdeu R$ 1,8 bilhão

As ações da Oi também se valorizaram neste período. No dia 20 de junho do ano passado, os papéis preferenciais da companhia (OIBR4) valiam R$ 0,99. No dia 16 de junho, estavam cotados a R$ 3,44, uma valorização de 247%. O valor de mercado também saiu de R$ 809,2 milhões para R$ 2,6 bilhões, alta de 221%.

Apesar dessa supervalorização, a Oi ainda está bem barata, principalmente se comparada as suas competidores no mercado brasileiro. A Telefônica e a TIM valem R$ 72,3 bilhões e R$ 22,9 bilhões, respectivamente.

O balanço do primeiro trimestre de 2017 mostra também que as reclamações da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) reduziram-se 28,2%. No Procon, elas caíram 21,5%.

Por outro lado, a Oi ainda precisa resolver o papagaio de sua bilionária dívida. Desde que entrou em recuperação judicial, a operadora apresentou dois planos que foram recusados pelos credores.

A grande questão a ser resolvida é o quanto ceder da companhia aos credores. Os atuais controladores – a Pharol, antiga Portugal Telecom, e o empresário Nelson Tanure, com histórico de investir em empresas com problemas financeiros – querem perder o mínimo possível. Os credores desejam uma fatia que pode chegar até 80%.

Até agora, nenhum dos dois conseguiu chegar a um consenso.  Não é, de fato, um impasse fácil de ser resolvido, dado aos interesses e as personalidades de todos os envolvidos na questão.  Mas dele depende o futuro da Oi.

A assembleia dos acionistas para decidir sobre a aprovação do plano deve acontecer em setembro deste ano. Até lá, muita negociação ainda deve acontecer. Por enquanto, como mostram os números, a Oi está conseguindo tocar o seu barco.


Mais posts

Com fama de perder dinheiro, Amazon lucra por 11 trimestres consecutivos

O resultado do quarto trimestre de 2017 da Amazon foi recorde: lucro líquido de US$ 1,9 bilhão

Mercado Livre passa a emprestar dinheiro aos lojistas de seu marketplace

Depois de testar modelo por seis meses no Brasil, companhia anuncia a criação da divisão Mercado Crédito

Eike Batista anuncia no Twitter que está de volta

Em dois posts, o empresário avisou seus mais de 1,2 milhão de seguidores a ficarem ligados em seu novo canal no YouTube e Instagram, [...]

Por que o Walmart busca um sócio para a sua operação brasileira

Desde que decidiu unificar as operações online e offline, a varejista americana Walmart convive com os rumores de que vai deixar o [...]

Twitter conseguirá conquistar os insatisfeitos com mudanças do Facebook?

Rede social está diante de uma oportunidade de ouro desde que o Facebook anunciou mudanças no seu “news feed”
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.