Giro

Como a Covid-19 alterou os padrões de outras infecções?

Crédito: Reprodução/Pixabay

Os adenovírus, que habitualmente provocam infecções respiratórias, podem ter pego sistemas imunitários que não se encontravam prontos a debelá-los. (Crédito: Reprodução/Pixabay)



Quase dois anos e meio depois do início da pandemia de Covid-19, e em que a transmissibilidade de várias outras doenças infecciosas diminuiu de forma considerável, pesquisadores tentam agora entender como é que estão a surgir outras infecções fora da sua época normal ou até em sítios onde, normalmente, não se propagariam com facilidade, comportando-se de forma diferente e, até, inesperada.

A infecção provocada pelo vírus da varíola dos macacos é um exemplo: esta doença zoonótica – que se transmite de animais para humanos – é, em vários aspetos, semelhante à varíola, apesar de ser, à partida, menos transmissível e mortal (os especialistas explicam porque é que não se devemos utilizar o termo varíola dos macacos para nos referirmos a esta infecção).

+ Unidades da JBS nos EUA adotarão planos de resposta à pandemia após surtos de Covid

Este vírus foi identificado pela primeira vez em 1970, num macaco em cativeiro. No mesmo ano, registou-se um caso de infecção numa criança de 9 anos da República Democrática do Congo e, desde então, identificam-se casos maioritariamente no continente africano (em 2018, o vírus foi identificado em pessoas no Reino Unido. Em 2019 e 2021 também). Esta quinta-feira, a Direção-Geral da Saúde (DGS) confirmou que o número de casos de varíola dos macacos tinha aumentado para 58 em Portugal. No mundo, a Organização Mundial de Saúde confirmou que já há mais de 130 casos confirmados em cerca de 19 países, apesar de a organização afirmar que o surto ainda pode ser contido.




A incidência da gripe também aumentou consideravelmente nos últimos meses. Só entre os dias 2 e 8 deste mês, de acordo com o boletim de vigilância epidemiológica do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, verificou-se uma incidência de 34,6 por 100 mil habitantes no período mencionado, contrariamente a 8,0 registada na semana anterior.

No final de abril, já se contabilizavam perto de 200 casos de hepatite aguda em crianças, a maioria na Europa, e os cientistas estavam cada vez mais inclinados a apontar o dedo aos adenovírus e, paralelamente, aos confinamentos relacionados com a pandemia. Em cima da mesa estava a hipótese de infecção por uma estirpe de adenovírus denominada F41. Mas, mais do que a sua especial virulência, os investigadores sublinhavam o facto de as restrições impostas pela Covid-19 terem poupado as crianças à sua exposição durante os primeiros anos de vida, tornando-as mais suscetíveis.

Os adenovírus, que habitualmente provocam infecções respiratórias e gastroenterites comuns, podem ter apanhado pela frente sistemas imunitários que não se encontravam prontos a debelá-los. Resultado: chegaram ao fígado e desenvolveram hepatites.


Também o vírus sincicial respiratório, ou RSV, que, geralmente, é mais ativo no inverno, sendo o grande agente responsável por internamentos devido a bronquiolites ou pneumonias em crianças abaixo dos dois anos, desencadeou surtos nos mais novos no último verão e no início do outono, na Europa e também nos EUA.

Crianças e adultos mais suscetíveis. Mas há motivo para preocupação?

Helen Branswell, jornalista sobre doenças infecciosas e saúde global no Stat, site de notícias norte-americano ligado à saúde, escreve que “os vírus não estão diferentes, mas nós estamos”. Em primeiro lugar, devido às medidas implantadas para conter a Covid-19, o distanciamento e a utilização de máscaras, por exemplo, tivemos menos contacto com outros vírus e, por isso, temos muito menos imunidade recente adquirida a esses vírus. Isto faz com que possam ocorrer com mais frequência maiores e mais repentinos surtos de doenças, em locais e momentos que não são expectáveis, tal como já está a acontecer.

Ao mesmo site, Marion Koopmans, virologista e responsável pelo departamento de Viroscience do Erasmus Medical Center em Roterdão, Países Baixos, afirmou que é possível estarmos agora a enfrentar um período em que será difícil prever o comportamento das doenças que, até então, pensávamos que conhecíamos. Koopmans referiu ainda que esta mudança nos padrões de outras doenças infecciosas pode ser ainda mais notória naquelas normalmente disseminadas através das crianças.

Durante a pandemia, a maioria dos mais novos não frenquentou as creches e as aulas foram, essencialmente, online, o que fez com que a transmissão de doenças entre elas e para os adultos diminuísse. Já em relação aos bebés, Hubert Niesters, professor no University Medical Center, em Groningen, Países Baixos, explicou que aqueles que nasceram durante a pandemia podem ter muito menos anticorpos para vírus respiratórios comuns no sangue transmitidos pelas mães, que não foram tão expostas a vírus durante a gravidez.

Esta alteração nos anticorpos pode ser generalizada a adultos já que, muito provavelmente devido às restrições impostas para conter a Covid-19, não estão a ser produzidos anticorpos em níveis normais a infecções comuns, o que faz com que haja cada vez mais pessoas vulneráveis a novos surtos.

“Falamos de doenças endémicas que tinham um certo padrão de previsibilidade. E esse padrão era, em parte, sazonal, mas também era impulsionado pelo tamanho da população imune ou não imune. E a última parte, é claro, aumentou”, explicou Koopmans, relativamente ao facto de poder haver uma redução considerável do número de pessoas que têm níveis de anticorpos contra a gripe altos o suficiente para serem considerados protetores, depois de cerca de dois anos em que a sua transmissão foi baixa. O mesmo pode acontecer com outras doenças infecciosas e, por isso, a preparação para possíveis surtos devido à baixa imunidade adquirida nestes dois últimos anos terá de ser maior, dizem os investigadores.

O epidemiologista responsável pelo ramo do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA Meningitis and Vaccine Preventable Diseases, Thomas Clark, referiu ainda que, durante a pandemia, muitas crianças não tomaram vacinas contra outras doenças e que isso pode contribuir para o aparecimento de surtos. Mas esse não foi o único problema. “Houve várias crianças que não apanharam os vírus normais aos quais poderiam ter sido expostas”, garantiu, alertando para o facto de haver infecções que, quando são transmitidas em idade mais adulta, podem tornar-se mais graves.

Já David Heymann, que é professor de epidemiologia na School of Hygiene and Tropical Medicine de Londres e faz parte do programa da Organização Mundial da Saúde (OMS) para as emergências sanitárias, disse que o vírus da varíola dos macacos pode ter estado presente em níveis muito baixos, latente, em algum lugar fora de África, no Reino Unido, por exemplo, e a sua atividade ter aumentado quando as viagens internacionais voltaram a ser permitidas.

Contudo, Petter Brodin, professor de imunologia pediátrica do Imperial College London, defendeu que não há motivo para alarme já que, em relação aos vírus em geral – também o varíola dos macacos – assim que várias pessoas forem infectadadas e for criada a imunidade de grupo, deixam de ser alarmantes.






Tópicos

4ª dose necessária 4ª dose vacinas ações china ações china medidas covid ações china ômicron aglomerações anticorpo monoclonal anticorpos covid sintomas anticorpos infectados nova infecção anticorpos monoclonais aprovação Agência de Alimentos e Medicamentos assintomática omicron assintomatico transmite omicron autoteste coronavírus autotestes covid-19 avanço do coronavírus baixíssimos índices de imunização bolsa ásia perdas recentes maio 2022 bolsa china bolsa china 2022 capital chinesa Pequim casos cepa delta cerco Covid-19 China china aprova tratamento China Covid zero China Covid-19 zero china estímulo monetário bolsas ásia china inflação China lockdown economia china mercado acionário cidade Xangai lockdowns Como ocorre a transmissão da COVID-19? congestão nasal conter o avanço do coronavírus coronavírus coronavírus alimentação coronavírus animais coronavírus estudos coronavírus soja corticoides covid covid covid anticorpos covid antiviral medicamento covid brasil covid china covid deixa sequelas? covid em idosos covid longa covid longa omicron covid medicamentos covid passa para animais covid remédios covid restrições covid risco cardíaco covid tratamento covid tratamentos covid vacinas Covid variantes covid zero China Covid-19 covid-19 tolerância zero China covid-19 zero China Delta doença infectocontagiosa doenças virais dor de cabeça dor de garganta dor muscular dor no corpo dose de reforço dose única doses de vacinas doses de vacinas contra a covid-19 economia chinesa Covid-19 eficácia da vacina flexibilização nas medidas de segurança hábitos de prevenção do coronavírus impacto global impacto global da nova variante impacto lockdowns economia chinesa imunizados naturais imunizados têm que usar máscaras índices de casos índices de imunização infecção infectados imunizados influenza ITpS lentidão vacinação Rússia lockdown desde abril Xangai lockdown na china lockdown pequim mal estar máscara máscara de proteção máscara vacina máscaras vacina OMS medicamento anticovid MSD dinamarca medicamento MSD covid medicamentos para covid omicron medidas china contenção Covid medidas do governo chinês contra covid medidas governo chinês covid medidas governo chinês multas covid-19 mortes causadas pela doença mortes por covid-19 nariz entupido notificações por mortes nova onda covid China nova onda covid lockdown China nova onda covid-19 China nova variante novas infecções Covid China novas infecções Covid-19 China novas variantes novas variantes no mundo novos lockdowns China número de casos O que é a subvariante BA 2 do COVID-19? o que é ômicron xe? o que funciona covid O que tomar para a variante Ômicron da COVID-19? óbito zero omicron Ômicron BA.2 omicron quantos dias de isolamento Ômicron reinfecção ômicron subvariante ômicron xe OMS organização mundial da saúde pandemia Pequim covid casos Pequim moradores policiem movimentos Pequim onde fica Pequim viajar pets têm covid? pilula contra covid pode haver duas infecções diferentes política China covid-19 políticas china contenção Covid políticas China contenção Covid-19 população completamente imunizada posso me infectar depois de vacinado? Posso não apresentar sintomas da COVID-19 prevenção do coronavirus Prevenir primeira dose primeira dose adicional primeiro dia sem mortes causadas pela covid-19 primeiros sintomas omicron principais sintomas da ômicron principais sintomas ômicron problema do coração quadros leves quais os sintomas da omicron a nova variante Quais são os principais cuidados para evitar a contaminação familiar de COVID-19? Quantos dias para aparecer os sintomas da Omicron? quantos faltam vacinar? quarentena obrigatória china quarentena obrigatória obrigatória pequim que alimentos inibem o coronavírus Que máscara uma pessoa que suspeita ter COVID-19 deve usar? Quem deve seguir usando máscara? quem deve tomar 3ª dose? RAQUEL STUCCHI recomendações recomendações dos especialistas recorde casos covid-19 redução nas mortes reflexos Covid-19 economia chinesa reflexos econômicos China lockdown reflexos econômicos covid China reflexos econômicos pandemia China reinfecção reinfecção coronavírus reinfeccao omicron Reino Unido remédios para covid omicron responsável pela análise risco cardíaco risco de de doenças virais saúde na China covid segunda dose segunda dose adicional segunda dose da vacina segurança vacinas crianças sequelas covid serviços china sinais e sintomas da omicron sintomas da omicron em vacinados sintomas ômicron sintomas pós covid omicron subavirante ômicron sublinhagem Ômicron BA.2 sublinhagens BA.1 e BA.2 subvariante subvariante BA.2 super imunes covid superanticorpo superimunes covid superimunes genes surgimento novas variantes no mundo surto covid china maio 2022 tolerância zero Covid China transmissão adolescentes crianças transmissão zero covid-19 transmissão zero na comunidade chinesa tratamento anticorpos monoclonais china tratamento covid longa Sus tratamento para covid omicron tratamento pós-covid Sus tratamento sequelas covid sus tratamentos tratar as doenças uso de máscara vacina 3ª dose vacina covid crianças vacina da Pfizer vacina duas doses protege mais que a de dose única? vacina segura tolerada crianças vacina trombose vacinação vacinação adolescentes vacinação contra a covid-19 vacinados infectados imunidade variante delta variante delta países variante delta volta variante gama Variante gama é perigosa? variante gama Manaus Variante Gamma variante omicron ba 2 variante omicron é mais letal variante omicron letalidade variante omicron mortes variantes virologista vírus vírus da influenza vírus pandêmico vírus recombinante vítimas vítimas do vírus Xangai centro econômico China Xangai centro econômico da China Xangai covid-19 Xangai maior cidade economia Xangai retorna normalidade Xangai retorna normalidade4ª dose necessária