Edição nº 1099 07.12 Ver ediçõs anteriores

Combustível no varejo

Combustível no varejo

Um dos maiores negócios no setor de distribuição de combustíveis neste ano, a venda da mineira Zema para a francesa Total, por R$ 500 milhões, vai permitir que o grupo brasileiro tenha mais poder de fogo para investir no que dá dinheiro: o varejo. “A política de preços da Petrobras é muito complicada e impede que as distribuidoras menores tenham condições de sobreviver frente à concorrência com BR, Shell e Ipiranga”, diz o CEO Cézar Donizete Chaves. Com mais meio bilhão de reais na conta, a ideia é fortalecer a operação do grupo voltada à venda de eletrodomésticos. “Dentro de um mês, saberemos o que fazer com todo esse dinheiro”, disse Chaves, homem-forte do dono do grupo, Romeu Zema, governador eleito de Minas Gerais.

(Nota publicada na Edição 1098 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Felipe Mendes)


Mais posts

Rumo ao Brechó digital

A Redpoint eventures, empresa americana de capital de risco que aposta em startups de tecnologia, vai investir na Repassa, empresa de [...]

A novela da Sapore

Depois de duas tentativas fracassadas ao longo do ano, a saga da fusão entre as empresas Sapore, uma das maiores fornecedoras de [...]

A visão da Monkey

A fintech Monkey Exchange, marketplace de antecipação de recebíveis, vai ampliar de 10 para 30 o número de clientes de grande porte em [...]

Por que a Audi vai investir € 40 bilhões?

A alemã Audi parece decidida a buscar a liderança do mercado de novas tecnologias. Em cinco anos, a empresa planeja investir € 40 [...]

Charge

(Nota publicada na Edição 1099 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Claudio Gradilone e Valéria Bretas)
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.