Edição nº 1122 24.05 Ver ediçõs anteriores

Combustível no varejo

Combustível no varejo

Um dos maiores negócios no setor de distribuição de combustíveis neste ano, a venda da mineira Zema para a francesa Total, por R$ 500 milhões, vai permitir que o grupo brasileiro tenha mais poder de fogo para investir no que dá dinheiro: o varejo. “A política de preços da Petrobras é muito complicada e impede que as distribuidoras menores tenham condições de sobreviver frente à concorrência com BR, Shell e Ipiranga”, diz o CEO Cézar Donizete Chaves. Com mais meio bilhão de reais na conta, a ideia é fortalecer a operação do grupo voltada à venda de eletrodomésticos. “Dentro de um mês, saberemos o que fazer com todo esse dinheiro”, disse Chaves, homem-forte do dono do grupo, Romeu Zema, governador eleito de Minas Gerais.

(Nota publicada na Edição 1098 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Felipe Mendes)


Mais posts

“O Brasil vai voltar a atrair investimentos”

Entrevista Jorge Apaez, CEO do Grupo IHG para América Latina O executivo mexicano Jorge Apaez, CEO do grupo hoteleiro IHG na América [...]

Alguém ganhou com o IPO da Uber

A malfadada abertura de capital da Uber, cujas ações despencaram 9% em apenas uma semana, gerou efeitos colaterais positivos para uma [...]

Quer pagar quanto?

Os brasileiros estão, cada vez mais, descobrindo as vantagens das empresas digitais de renegociação de dívidas. Tanto é que a [...]

Maconha liberada, lucro bilionário

Se fosse liberado, o mercado de cannabis acessível (maconha regulamentada e lícita) movimentaria cerca de US$ 2,4 bilhões no Brasil, [...]

O app de quem não tem plano

Pelos cálculos do Minis-tério da Saúde, uma consulta médica pelo SUS pode demorar mais de 12 meses em várias regiões do País. Ao [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.