Finanças

Com tarifas no preço, investidor aposta no risco e bolsas da Europa sobem

As bolsas da Europa encerraram o pregão desta sexta-feira, 6, em alta, à medida que os investidores assimilam a efetividade das tarifas mútuas aplicadas por Estados Unidos e China. Com a tensão comercial “no preço” e sem uma escalada substancial do embate, o índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em 382,36 pontos, alta diária de 0,20% e semanal de 0,64%.

Era 1h01 no horário de Brasília quando os EUA efetivaram a tarifa de 25% sobre US$ 34 bilhões em bens comprados da China. A lista de produtos inclui os relacionados ao uso indevido de propriedade intelectual americana, em áreas como a aeroespacial, de informação e de tecnologia de comunicações, maquinário industrial, insumos e automóveis. Em igual dimensão, Pequim cumpriu a ameaça e impôs barreiras sobre diversos produtos americanos, como a soja.

Com a primeira batalha com hora certa para começar, a guerra comercial acabou sendo digerida pelos investidores. As primeiras declarações da China após a efetivação das tarifas não fugiu do roteiro habitual de Pequim, que se mantém comprometida com a abertura econômica e vai dar suporte às empresas que precisarem.

Ainda sobre o embate comercial, os investidores europeus seguiram reagindo positivamente à notícia da véspera da aproximação entre Estados Unidos e União Europeia para um acordo no setor automotivo.

“Os investidores receberam esta notícia de forma bastante otimista”, afirmou Kenny Fisher, do Market Pulse.

Entre os indicadores, a produção industrial da Alemanha registrou expansão de 2,6% de abril para maio no cálculo com ajustes sazonais, surpreendendo a expectativa do mercado financeiro, que contava com alta marginal de 0,1%. Na comparação anual, o crescimento foi de 3,1% em maio.

Na bolsa de Frankfurt, os papéis do setor industrial foram destaque de alta. O conglomerado Thyssenkrupp saltou 2,42% e a E.ON avançou 1,19%. O índice DAX subiu para 12.496,17 pontos, alta diária de 0,26% e semanal de 1,55%.

Em Paris, a ação da Airbus avançou 0,78%, com os investidores da companhia monitorando as parcerias entre a Boeing e Embraer. O índice CAC 40 fechou em 5.375,77 pontos, ganho diário de 0,18% e semanal de 0,98%.

Em Milão, o índice FTSE Mib avançou para 21.925,51 pontos, ganho diário de 0,05% e semanal de 1,38%. Fora do índice, os papéis do Juventus Football Club dispararam 7,13%, influenciado por rumores da contratação do atacante português Cristiano Ronaldo.

A bolsa de Lisboa subiu para 5.599,76 pontos, alta diária de 0,55% e semanal de 1,29%. A de Madri avançou para 9.905,00 pontos, ganho respectivo de 0,39% e 2,93%.

Em Londres, apesar da alta do FTSE para 7.617,70 (+0,19%), as ações de mineradoras acompanharam a forte desvalorização do cobre. Os papéis da Anglo American caíram 1,18% e da Antofagasta recuaram 0,92%. Na semana, o índice acionário cedeu 0,25%.