Edição nº 1142 14.10 Ver ediçõs anteriores
Com presença em 19 países e negócios que vão do cimento à tecnologia da informação, o conglomerado Votorantim planeja crescer ainda mais

Entrevista

João Miranda, CEO do grupo Votorantim

Com ou sem crise, vamos investir R$ 3 bilhões por ano

Gabriel Reis

Com ou sem crise, vamos investir R$ 3 bilhões por ano

Com presença em 19 países e negócios que vão do cimento à tecnologia da informação, o conglomerado que tem um século de vida planeja crescer ainda mais

Valéria Bretas
Edição 24/05/2019 - nº 1122

Depois de completar seu primeiro centenário em 2018, o grupo Votorantim, comandado pelo executivo João Miranda, dá início a um novo planejamento de longo prazo. E começou bem. No primeiro trimestre deste ano, a companhia registrou lucro líquido de R$ 4,4 bilhões, contra R$ 150 milhões no mesmo período de 2018. O segredo, segundo Miranda, foi não deixar de investir mesmo em momentos de crise. “O fato de termos negócios no Brasil e no exterior ajudou muito”, diz o presidente. O grupo, que atua nos setores de bancos, cimento, energia e agronegócio, está em uma fase de análise para novos projetos dentro de um investimento de R$ 3 bilhões por ano.

DINHEIRO – Qual foi a estratégia do grupo Votorantim para equilibrar os negócios e conseguir resultados positivos mesmo em tempos de crise?

JOÃO MIRANDA – O fato de termos negócios no Brasil e no exterior ajudou muito a equilibrar. É claro que, dentro de uma década, é natural a economia passar por uma crise financeira global ou, como ocorreu aqui, pela maior recessão da história brasileira. Esses fatores influenciaram, sim, os nossos balanços por algum tempo, mas a chave foi não deixar de investir na modernização e onde havia demanda crescente. A gente conseguiu, a partir da holding, e com a participação de todas as empresas do grupo, engajar todo mundo nesse processo de inovação, competitividade e desenvolvimento de pessoas. Tudo isso, somado ao nosso compromisso financeiro de restaurar os dividendos, ajudou a desalavancar a companhia e nos deixou prontos para crescer no meio da turbulência.

DINHEIRO – Ser uma empresa centenária mais ajuda ou atrapalha?

MIRANDA – A Votorantim começou com uma noção de que para conseguir fazer negócios é necessário estar em equilíbrio com os funcionários, com a sociedade e com todo o ambiente. Outro fator que sempre foi muito importante é a consciência de que a vida muda e que precisamos estar permanentemente em transformação. Aprendi muito com os nossos acionistas e conselheiros a estar conectado com o presente, mas sem perder de vista tudo que o futuro pode trazer. O terceiro pilar que eu destaco como fundamental é a questão da ética, que nunca foi colocada em xeque ou negociada aqui dentro. Isso faz com que a gente não atravesse momentos de descontinuidade nos negócios.

DINHEIRO – Qual é o papel da holding Votorantim nos negócios do grupo?

MIRANDA – Em 2014, percebemos a necessidade de descentralizar decisões de alto nível, como investimentos, desenvolvimento de lideranças e governanças. Decidimos instalar conselhos dentro das empresas para tratar da estratégia e do desempenho da companhia. Ou seja, o nosso papel como holding é ser um instrumento influenciador para que as lideranças das companhias, e seus conselhos, possam fazer as transformações necessárias. É importante destacar que não tratamos as empresas como unidades de negócio, elas são companhias.

“O Congresso quer debater mais sobre temas muito relevantes, como o novo regime da Previdência” (Crédito:Edilson Rodrigues)

DINHEIRO – Qual sua avaliação dos primeiros meses do novo governo?

MIRANDA – Ainda é cedo para fazer uma avaliação. Passamos por uma eleição bastante polarizada e de incertezas no mundo inteiro. Havia muito tempo que não víamos algo assim. A gente precisa olhar para tudo isso que está acontecendo no mundo, como o Brexit e uma liderança liberal nos Estados Unidos colocando em pauta uma série de polêmicas, para debater as consequências para as nossas operações e decisões de investimento. O Brasil passa por um momento rico de discussão com a sociedade sobre o que é melhor para o país. Há um novo governo, com novas visões e parece haver um posicionamento do Congresso de querer debater temas muito relevantes, como o novo regime da Previdência Social, que serão alinhados pouco a pouco entre a sociedade, o Congresso e o Executivo. Acredito que vai acontecer uma convergência, mas precisamos nos comover menos com ruídos e olhar mais para o mérito.

DINHEIRO – Como a aprovação da reforma da Previdência vai impactar na operação da Votorantim?

MIRANDA – A Votorantim é muito otimista em relação ao futuro do Brasil, mas, obviamente, precisamos tomar decisões e avaliar sempre com muito conservadorismo todos os cenários. Dada a complexidade que essa aprovação requer, já imaginávamos que não seria um processo rápido. A nossa perspectiva é de que ela seja aprovada neste ano. Ainda assim, podemos supor que ela não vai se traduzir em reflexos positivos ainda em 2019. Os benefícios da reforma começarão a ser vistos a partir do próximo ano.

DINHEIRO – De que forma o contingenciamento de recursos em educação pode afetar o desenvolvimento de novos talentos?

MIRANDA – Há um esforço do Ministério da Educação de conter custos. Por consequência, isso elevou o debate. A reação da sociedade foi imediata porque há uma percepção da importância que a educação tem para o País. Acredito que ela seja a maior promotora do desenvolvimento e do progresso humano e, portanto, da diminuição da desigualdade. Quero crer que a reação da sociedade foi correta, no sentido de questionar o que está acontecendo. Por outro lado, não sou pessimista a ponto de acreditar que os cortes irão exportar cérebros para outros países. Quando a poeira baixar, todos concordarão que a educação é o mais importante e que precisa de mais investimento.

DINHEIRO – Quais os segmentos com as melhores perspectivas dentro da companhia?

MIRANDA – Estamos em negócios muito diversificados e hoje mais da metade do nosso Ebitda é gerado fora do Brasil. Esse processo de diversificação das nossas frentes começou há mais de 20 anos, mas eu diria que um impulso imediato na economia brasileira deve elevar os nossos negócios de cimento. Houve uma queda substancial de demanda desde 2014, mas temos a expectativa de que o ritmo de crescimento do Brasil vai alterar significantemente o consumo de materiais de construção.

DINHEIRO – O futuro da empresa estará mais centrado em quais áreas?

MIRANDA – Estamos bem equilibrados com os nossos negócios. A Votorantim está em um momento de alavancagem e com recursos disponíveis não só para apoiar as empresas em seus investimentos, mas também de fazer investimentos diretos em novas áreas. Tenho a visão de que algumas áreas de infraestrutura no Brasil podem ser interessantes, mas também temos olhados para outros segmentos no exterior. Não temos nada saindo do forno, por enquanto.

DINHEIRO – Há intenção de abertura de IPO de alguma das empresas?

MIRANDA – Existem várias boas candidatas para isso, mas no futuro e tudo ao seu tempo. Gosto da ideia do IPO porque dá flexibilidade de capital para as companhias, aumenta a supervisão e eleva o nível de governança. Tudo isso é muito bacana, mas tem o seu momento certo para acontecer.

DINHEIRO – O Brasil já tem um crônico problema de falta de competitividade na indústria. Como o senhor enxerga isso?

MIRANDA – A Votorantim está na indústria de cimentos no Brasil e em outros 12 países, competindo de igual para igual em qualquer lugar do mundo. Em cimento, somos extremamente competitivos, sob qualquer parâmetro. No agro, acontece o mesmo. Somos líderes mundiais do segmento com a Citrosuco. Não é só porque o cinturão paulista tem um clima excepcional, há muita tecnologia de processo empregada nos produtos. Se tem indústria brasileira pouco competitiva ou incompetente para brigar de igual para igual com o resto do mundo, eu não conheço.

“Um impulso imediato na economia brasileira deve elevar os nossos negócios de cimento” (Crédito:Roberto Ribeiro)

DINHEIRO – Então o Brasil está pronto para a indústria 4.0 ou corre o risco de ficar para trás em relação aos países desenvolvidos?

MIRANDA – A digitalização e a indústria 4.0 é uma realidade que felizmente está disponível. Portanto, entrar agora não significa entrar atrasado, isso significa entrar com segurança e com rapidez. Quem não fizer isso agora é que vai ficar para trás e vai morrer.

DINHEIRO – E o que acontece com as pequenas e médias empresas?

MIRANDA – O problema é que existem as indústrias de grande porte, com capacidade de adoção muito rápida, e indústrias médias, com capacidade menor e que sentem um pouco mais os impactos da atual situação econômica do Brasil. Para isso, existe um papel de fomento de centros de tecnologia e de financiamento aplicado especificamente para setores que não têm condições de bancarem sozinhos esses desenvolvimentos tecnológicos. Temos consciência de que a riqueza de um país é determinada em grande parte por pequenos e médios negócios, que precisam ser estimulados. É por esse motivo que incentivamos muito as nossas cadeias produtivas e de fornecimento para que também impulsione demandas. Esse é um papel política pública. As pequenas e médias empresas são grandes criadoras de empregos e é importante que tenham um tratamento justo para seguirem competitivas.

DINHEIRO – Como vocês estão se preparando para as próximas sucessões dos Moraes?

MIRANDA – Estamos indo da quarta para a quinta geração. É um plano de sucessão com muita solidez, muita calma, e que está em um horizonte para os próximos dez anos. Hoje julgamos relevante preparar a família como acionista. Não importa se estão mais ou menos envolvidos com o negócio. Aqueles que entrarem deverão participar da governança. Não existe uma intenção de preparar a nova geração dos Ermírio de Moraes para funções executivas.

DINHEIRO – Quais são os planos e também as prioridades para 2019?

MIRANDA – Esse é um ano para agir com cautela porque vamos conviver com muita volatilidade, o que também é natural para o atual momento do Brasil. Além disso, precisamos considerar que há uma situação de incerteza e expectativas desancoradas, mas dentro de um contexto global que também nos afeta. É um ano de preparação para novos investimentos e de colher frutos da estratégia que preparamos nos anos anteriores. Com ou sem crise, vamos investir R$ 3 bilhões por ano.

Mercado financeiro

Ibovespa avança 0,89% e supera os 105 mil pontos nesta quarta-feira


Governo dará desconto de até 70% para quem tem dívida com a União

Medida Provisória

Governo dará desconto de até 70% para quem tem dívida com a União

De acordo com o Ministério da Economia, a transação tributária 'representa uma alternativa' fiscal mais 'justa' do que os seguidos programas de refinanciamento de dívidas, os chamados Refis


Distribuição de renda

Desigualdade recorde: metade dos brasileiros vive com apenas R$ 413 mensais

Novo prazo

Senado aprova projeto que prorroga a apropriação de créditos do ICMS por Estados


Blog

Somos todos de tecnologia

Por Cecília Andreucci

Por Cecília Andreucci

Somos todos de tecnologia

Tecnologia é cultura e entender cultura é um trabalho fundamentalmente humano


Internacional


Nova geração democrata apoiará veterano progressista Bernie Sanders

Estados Unidos

Estados Unidos

Nova geração democrata apoiará veterano progressista Bernie Sanders

Europa deve se preparar para nova onda migratória, alerta premier grego

Imigração

Imigração

Europa deve se preparar para nova onda migratória, alerta premier grego


Luto

Lázaro de Mello Brandão, ex-chairman do Bradesco, morre aos 93 anos

"Seu Brandão"

"Seu Brandão"

Lázaro de Mello Brandão, ex-chairman do Bradesco, morre aos 93 anos

Lázaro Brandão passou por todas as áreas no banco, fundado por Amador Aguiar. Assumiu a presidência do Bradesco em 1981. A partir de 1990, acumulou o cargo de presidente do Conselho de Administração.


Editorial

O megaleilão de R$ 112 bilhões

Por Carlos José Marques

Por Carlos José Marques

O megaleilão de R$ 112 bilhões

Já desponta como a mais promissora notícia deste primeiro ano de Governo o megaleilão do excedente da cessão onerosa do petróleo do pré-sal, que deve ocorrer no mês que vem, com previsão de arrecadação na casa de R$ 112 bilhões. Será, em se confirmando, um resultado tão extraordinário que pode significar a redenção orçamentária do Estado

Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus

Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus

"Investidor é como boxeador. Se estiver domado não produz nada"

O principal nome do site de recomendações financeiras que mais barulho causou no Brasil nos últimos anos fala sobre os resultados que obteve a partir de estratégias de marketing incisivas e explica por que sua empresa optou por uma postura mais zen


Tecnologia

Sono hype

O foco agora é na cama

O foco agora é na cama

Sono hype

A indústria do bem-estar chega à era pós-fitness e alimentação saudável: a hora de dormir


Acerto de contas

JBS

Acerto de contas

Com desembolso de R$ 5 bilhões, JBS conclui o pagamento da totalidade das dívidas com bancos públicos reguladas pelo Acordo de Normalização, de 2018

O plano elétrico da Renault

Mobilidade

O plano elétrico da Renault

A marca francesa acelera suas vendas fortalecendo parcerias com governos e entidades dedicadas a popularizar os motores carbono zero


Dinheiro da semana

Bolsonaro bate boca com Bivar e racha com PSL

Crise no partido

Crise no partido

Bolsonaro bate boca com Bivar e racha com PSL

O estopim teria sido a declaração dada, na manhã da própria quarta, pelo presidente da legenda, o deputado federal Luciano Bivar, segundo quem a relação de Bolsonaro com o partido estava em estado terminal. “Ele já está afastado”, acrescentou Bivar


Ambiente competitivo estimula Santander

Expansão

Ambiente competitivo estimula Santander

Além do avanço por canais digitais, banco pretende ampliar rede de agências que atendem a cadeia do agronegócio, desde fornecedores, produtores até a agroindústria

Juro baixo destrava ofertas de ações

Onda de IPOS's

Juro baixo destrava ofertas de ações

Volume financeiro em operações iniciais e de aumento de capital por companhias abertas já ultrapassa R$ 60 bilhões neste ano. A perspectiva é encerrar o quarto trimestre com movimentação total superior a R$ 70 bilhões — um recorde


Colunas


O que aprendi sobre chatbots na China

Eduardo Henrique

Eduardo Henrique

O que aprendi sobre chatbots na China

Conheci de perto cerca de 20 empresas durante esse período, já que o motivo principal dessa viagem era observar iniciativas chinesas disruptivas em diversos setores, em especial aquelas que focam na Inteligência Artificial para serviços de interação e suporte aos clientes