Negócios

Com Lula ou Bolsonaro, o negócio é ser camelo

Crédito: Divulgação

O empresário e investidor Pierre Schurmann, fundador da Bossa Nova Investimentos e CEO da Nuvini, está empolgado com as perspectivas no setor brasileiro de tecnologia. Ele afirma que vai comprar até seis empresas neste ano, dobrando o tamanho do grupo. “Seja Lula ou Bolsonaro, já sabemos o que vem pela frente.

Os dois são previsíveis”, afirmou Schurmann. O empresário fala com a tranquilidade de quem tem dinheiro para investir e que cresce a um ritmo de 45% ao ano. Em 2021, ele captou R$ 400 milhões em rodada. O dinheiro será utilizado na expansão dos negócios. “Existe mais capital do que ativos disponíveis para aquisição. Por isso, nosso foco não é ser unicórnio, mas sermos camelos.”

(Nota publicada na edição 1270 da Revista Dinheiro)