Semanal

Com gasto de US$ 789 milhões por ano, Brasil é recordista em verba pública para campanha eleitoral

Levantamento da CupomValido.com.br.usa como base informações do TSE, do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) e do World Bank

Crédito: Elza Fiúza/Agência Brasil

Material impresso de candidatos, que vira lixo nos locais de votação, responde 20,9% do total das despesas das campanhas. Fundo Eleitoral drena quase R$ 6 bilhões em recursos públicos (Crédito: Elza Fiúza/Agência Brasil)

Dizem que a eleição é a festa da democracia. No caso do Brasil, uma festa de gala, com o custo mais alto do mundo, e paga por você. Pelo menos é o que aponta uma pesquisa da CupomValido.com.br. Segundo levantamento da empresa, que usa como base informações do TSE, do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) e do World Bank, o País gasta, em média, US$ 789 milhões por ano com campanhas eleitorais e sustentação partidária. O número é mais que o dobro do segundo colocado, o México, que tem uma despesa média de US$ 307 milhões anuais.

Essa gastança toda tem origem histórica. Ganhou força com a Lei Orgânica dos Partidos Políticos (Lei 4.740, publicada no governo Castello Branco, durante a ditadura militar, já revogada), e cresceu ainda mais após a Constituição de 1988. Segundo Simone Lemos, professora de história e doutora em política brasileira, os deputados que escreveram nossa Carta Magna procuraram tornar a estrutura política brasileira a mais abrangente e plural possível. “Esse multipartidarismo nasce de uma utopia de que a democracia exige uma gama imensa de partidos, o que se comprovou uma mentira”, disse ela. O resultado disso é que, se aproveitando da legislação eleitoral, os partidos se proliferaram, motivados não por diferenças ideológicas, mas pelo potencial arrecadatório que cada legenda tem. O Brasil soma hoje 32 partidos políticos, figurando como o segundo país com mais legendas do mundo. No topo da lista está a Índia, com 36 legendas para representar uma população de 1,38 bilhão de pessoas. Entre os nossos vizinhos, a Argentina possui 19 partidos; o Chile, 16.



Edson Fachin faz apelo por ‘paz e segurança’ nas eleições 2022

Na prática, o sistema partidário brasileiro cria uma moeda de troca, com partidos menores usando seus recursos financeiros e estrutura para apoiar outras  legendas por meio de coligações. E as cifras não são pequenas. Cada parlamentar brasileiro custa US$ 5 milhões ao ano, o que equivale a 528 vezes a renda média da população. “O número é mais que o dobro do gasto do segundo colocado, a Argentina, com um gasto de 228 vezes em relação à renda média”, detalha o levantamento da CupomValido.

E com esse volume de partidos com direito a participar da festa democrática, naturalmente os gastos públicos para que todos tenham holofote também são estrondosos, tanto que o dinheiro despendido para campanhas eleitorais surpreende. Segundos dados do TSE, em em 2020 foram repassados R$ 953 milhões por meio do Fundo Eleitoral. Mas o Brasil tem ainda o Fundo Especial de Assistência Financeira aos Partidos Políticos, ou Fundo Partidário, criado em 1965 para custear despesas cotidianas das legendas, como contas de luz, água, aluguel, passagens aéreas e salários de funcionários. Em 2019, a aprovação da minirreforma eleitoral passou a permitir o uso do Fundo Partidário para outras despesas: impulsionamento de conteúdo na internet, compra de passagens aéreas para não filiados e contratação de advogados e contadores.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


Na composição dos gastos, segundo a CupomValido, os materiais impressos lideram, representando 20,9% do total. A produção de programas (de rádio, televisão ou vídeo), está em segundo lugar, com 8,8%. Em terceiro lugar, com 8,6% das despesas, está o custo com atividades de militância e mobilização de rua. Essa cifra, no entanto, não engloba a capacidade de arrecadação interna de cada partido, que precisa seguir diretrizes do Tribunal Superior Eleitoral, mas permite, por exemplo, que pessoas físicas ajudem a financiar as campanhas. Uma festa rica em que poucos se divertem – e que só empobrece as famílias brasileiras. 




Tópicos

Câmara campanha 2022 campanha eleitoral candidatos redes sociais como tirar título eleitoral Congresso corrida eleitora deputados eleição eleição presidencial eleição presidente eleições eleições 2022 3ª via candidatos eleições 2022 agenda candidatos eleições 2022 agenda econômica candidatos eleições 2022 agenda econômica partidos eleições 2022 agenda econômica tema central Eleições 2022 auditável Eleições 2022 candidatos eleições 2022 ciro gomes eleições 2022 debate econômico eleições 2022 desemprego eleições 2022 economia eleições 2022 emprego trabalho Eleições 2022 forças armadas eleições 2022 gabinete do ódio Eleições 2022 golpe Eleições 2022 impeachment eleições 2022 Investimentos Eleições 2022 lula eleições 2022 lula pesquisas eleições 2022 medidas econômicas bolsonaro Eleições 2022 militares Eleições 2022 partidos eleições 2022 partidos pauta emprego desemprego Eleições 2022 quanto gasta um candidato eleições 2022 quem pensa sobre trabalho eleições 2022 temas centrais Eleições 2022 TSE Eleições 2022 urna eletrônica eleições 2022 verbas públicas partidos fundo eleitoral ELEIÇÕES 2022/BOLSONARO Eleições 22 de onde vem o dinheiro Eleições 22 verbas públicas financiamento de campanhas eleições 2022 financiamento partidário fundo eleitoral gastos com campanha Lula apelo MDB lula Bolsonaro pesquisas ranking lula popularidade MDB enquadra Lula o que é voto auditável para onde vão os votos de moro parlamentares partidário partidos prazo para regularizar título eleitoral prazo para regularizar título quarta-feira 6 de maio Senado senadores TER título como tirar título eleitoral documentos necessários título eleitoral passo a passo TSE